Notícias » Europa

Pesquisadores descobrem poço de 1,5 mil anos destinado a deus grego em ilha na Bulgária

A construção surpreendeu a arqueologia local, que agora sabe que havia vida civilizada na ilha desde o século 6

Wallacy Ferrari Publicado em 26/11/2020, às 09h02

Fotografia da Ilha de St. Ivan
Fotografia da Ilha de St. Ivan - Divulgação

Um grupo de arqueólogos localizou um poço sagrado construído há 1,5 mil anos sob um antigo mosteiro cristão primitivo na ilha de St. Ivan, mais larga ilha da Bulgária no Mar Negro. A construção foi encontrada durante uma escavação que já chegava a 5 metros de profundidade, sendo uma continuação de um templo ainda mais antigo abaixo do poço.

De acordo com o professor Kazimir Popkonstantinov, especialista em arqueologia cristã da Universidade Veliko Tarnovo, o poço foi construído no topo de um antigo templo grego de Apolo, como revela o portal Ancient Pages. Os achados apontam evidências de que havia vida civilizada na ilha, pelo menos, desde o século 6 a.C.

Fotografia superficial do poço localizado na ilha / Crédito: Divulgação/YouTube/bTV

 

O poço encontrado não foi completamente escavado, sendo apenas medido pelas suas extremidades superiores — e consequentemente, anulando dados sobre a profundidade. Ele tem 7 metros de largura e 7,8 de comprimento, com paredes de pouco mais de 1 metro de largura, inteiramente confeccionadas em pedras e arcos de tijolos.

Sobre arqueologia

Descobertas arqueológicas milenares sempre impressionam, pois, além de revelar objetos inestimáveis, elas também, de certa forma, nos ensinam sobre como tal sociedade estudada se desenvolveu e se consolidou ao longo da história. Sem dúvida nenhuma, uma das que mais chamam a atenção ainda hoje é a dos egípcios antigos.

Permeados por crendices em supostas maldições e pela completa admiração em grandes figuras como Cleópatra e Tutancâmon, o Egito gera curiosidade por ser berço de uma das civilizações que foram uma das bases da história humana e, principalmente, pelos diversos achados de pesquisadores e arqueólogos nas últimas décadas.