Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Inteligência Artificial

Por que pesquisadores da Microsoft usaram Harry Potter para testar IAs?

A aparição do universo mágico criado por J.K.Rowling em meio à pesquisa sobre tecnologia de ponta causa surpresa, mas tem uma boa explicação; entenda!

Redação Publicado em 27/12/2023, às 13h04

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Cena de "Harry Potter e a Pedra Filosofal" (2001) - Divulgação/Warner Bros
Cena de "Harry Potter e a Pedra Filosofal" (2001) - Divulgação/Warner Bros

Um artigo científico recente sobre IAs vem chamando atenção por usar uma ferramenta inusitada: a série de livros sobre o bruxoHarry Potter, coleção lançada entre o fim dos anos 90 e início dos anos 2000 que conquistou fãs ao redor do mundo.

Os autores da pesquisa, Mark Russinovich e Ronen Eldan, trabalham para a Microsoft e desenvolveram uma função que permite a inteligência artificiais "esquecer" informações relacionadas a assuntos específicos.

Chatbots e outras tecnologias da área, por exemplo, podem enfrentar problemas relativos a direitos autorais se repassarem ao usuário trechos de obras de ficção que não lhes pertence. A presença de uma função que apague esse tipo de dado, portanto, é muito útil. 

Assim, durante seu desenvolvimento desta opção, os pesquisadores decidiram fazer uso do universo criado pela escritora britânicaJ.K.Rowling.

O estudo 

Ao pedirem para que suas IAs "esquecessem" a existência da saga Harry Potter, a dupla conseguiu testar de que forma os algoritmos estavam respondendo aos seus comandos.

A utilização desses livros, em particular, é útil pelo fato de serem recheados de detalhes, e também por serem famosos internacionalmente — de forma que existe uma boa chance de outros especialistas trabalhando com inteligência artificial conhecerem a história.  

Acreditávamos que seria mais fácil para as pessoas da comunidade de pesquisa avaliarem o modelo resultante de nossa técnica (...) Mesmo as pessoas que não leram os livros estariam cientes dos elementos e personagens da trama", explicou Russinovich, conforme repercutiu O Globo. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!