Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Transplante de coração de porco

Revelada causa da morte do homem que recebeu transplante de coração de porco

David Bennett morreu em março deste ano, dois meses após o transplante de coração de porco

Redação Publicado em 09/07/2022, às 13h33

Médicos realizaram o primeiro transplante de um coração de porco em um ser humano - Divulgação / Universidade de Maryland
Médicos realizaram o primeiro transplante de um coração de porco em um ser humano - Divulgação / Universidade de Maryland

A primeira pessoa a receber um transplante de coração geneticamente modificado de um porco não morreu devido a uma rejeição, mas sim por insuficiência cardíaca.

É o que dizem os médicos envolvidos no procedimento realizado em David Bennett, americano de 57 anos que morreu em março deste ano, dois meses após a operação.

Bennett havia sido considerado inelegível para um transplante humano, uma vez que estava com a saúde bastante debilitada. Assim, fazer parte do experimento da Universidade de Maryland era sua última alternativa.

Sem evidências de rejeição

De acordo com informações do UOL, os médicos apontaram em um artigo publicado no mês passado que um "conjunto complexo de fatores" teria causado a insuficiência cardíaca no paciente.

"Nossas descobertas na autópsia não mostraram evidências de rejeição", declarou o Dr. Bartley Griffith, professor de transplantes da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland e um dos líderes do estudo.

"Em vez disso, vimos um espessamento e posterior enrijecimento do músculo cardíaco, levando à insuficiência cardíaca diastólica, o que significa que o músculo cardíaco não conseguiu relaxar e encher o coração de sangue como deveria", explicou.

Possível causa

De acordo com os especialistas, é possível que o coração tenha falhado em razão de uma droga. Segundo eles, o medicamento, que deveria prevenir a rejeição e infecção, pode ter danificado o órgão.

"O coração também continha evidências de DNA de um vírus latente de porco chamado citomegalovírus suíno, através de testes altamente sensíveis que foram detectados pela primeira vez várias semanas após a cirurgia e posteriormente confirmados durante a autópsia do órgão", disse a equipe em comunicado. A possibilidade do vírus ter danificado o músculo segue sob investigação.