Matérias » Cultura

As mulheres que costuraram para sobreviver a Auschwitz

Em “As costureiras de Auschwitz”, a pesquisadora britânica de moda Lucy Adlington conta a história real de um ateliê de costura que funcionou no interior do campo de extermínio

Redação Publicado em 26/01/2022, às 17h13

Imagem meramente ilustrativa
Imagem meramente ilustrativa - peter89ba, via Pixabay

No auge do Holocausto, 25 jovens prisioneiras do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau foram selecionadas para desenhar, cortar e costurar roupas de luxo para as mulheres de guardas e oficiais nazistas. O trabalho era feito em uma oficina de costura instalada dentro de um dos maiores campos de extermínio da Segunda Guerra Mundial.

O ateliê, chamado de “estúdio de alta-costura superior”, foi fundado por Hedwig Höss, a esposa do comandante de Auschwitz. A partir de uma intensa pesquisa documental e entrevistas -- incluindo uma conversa com Bracha Berkovič Kohút, última costureira sobrevivente -- a pesquisadora de moda britânica Lucy Adlington resgata essa história em seu novo livro, As costureiras de Auschwitz, lançamento do selo Crítica da Editora Planeta.

Fatos históricos

Através de causos e fatos históricos, a autora posiciona a moda no centro da narrativa política da Segunda Guerra Mundial, relacionando-a, de forma nada óbvia, a temas recorrentes deste momento do passado, como violência e preconceito.

[Colocar ALT]
A capa da obra /Crédito: Divulgação

Antes de chegar à história do ateliê em si, Adlington tece uma detalhada trama, apresentando as principais personagens envolvidas -- entre judias e prisioneiras políticas --, a indústria da moda de meados do século XX, com fotos dos modelos mais cobiçados, e os movimentos políticos e econômicos que se desenvolviam nos anos anteriores ao terror nazista.

Violências, humilhações e perigos

O livro traz ainda um poderoso relato da vida em Auschwitz: as violências, humilhações e perigos aos quais os prisioneiros estavam sujeitos, bem como as redes de relacionamento e resistência que se desenvolveram no campo.

O ateliê, aliás, era uma delas e, para todas as mulheres que dele participaram, foi o elemento que fez a diferença entre a vida e a morte.

“No outono de 1943, o estúdio de alta-costura superior tinha aumentado de duas para quinze mulheres. E não parou por aí. A SS selecionava pessoas para morrer; enquanto isso, ao escolher suas ajudantes, Marta lhes proporcionava uma chance na vida. Inevitavelmente, suas primeiras escolhas foram mulheres que ela já conhecia. Era assim que o privilégio funcionava nos campos. Redes de conexão, ou ‘proteção’, se mostravam cruciais.”

Best-seller do The New York Times, As costureiras de Auschwitz é um livro cativante. A cada página, o leitor conhece -- e passar a torcer por -- as vidas de Bracha, Irene, Katka, Marta e tantas outras mulheres que costuraram para sobreviver, na esperança de serem poupadas das câmaras de gás -- lugar onde tantos de seus amigos e familiares foram assassinados.

“Este livro é a história dessas mulheres. Não se trata de uma narrativa romanceada. As cenas íntimas e os diálogos descritos baseiam-se inteiramente em testemunhos, documentos, provas materiais e memórias relatadas a membros da família ou diretamente a mim, com o respaldo da leitura de uma extensa bibliografia e de investigação arquivística”, escreve Adlington.


As costureiras de Auschwitz, Lucy Adlington, 2022 - https://amzn.to/35h0tJq

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W