Matérias » Arqueologia

Como a arte erótica do Peru tem ajudando a prevenir o câncer de próstata

Cerâmicas pré-colombianas ganharam um novo e criativo propósito em um museu peruano; entenda!

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 20/03/2022, às 08h00

Fotografia de escultura pré-colombiana em exibição no local
Fotografia de escultura pré-colombiana em exibição no local - Divulgação/ Museu Arqueológico Rafael Larco Herrera

O câncer na próstata é o segundo mais diagnosticado nos indivíduos do sexo masculino, e o sexto mais mortífero, conforme estatísticas internacionais registradas no site Global Cancer Observatory.

A doença pode ter um desenvolvimento incrivelmente lento, passando despercebido por décadas antes de começar a causar sintomas, o que lhe confere uma grande janela de oportunidade para ser identificado e devidamente tratado. 

Os tumores testiculares e de pênis, por sua vez, são mais raros, porém também facilmente tratáveis em seus estágios iniciais. Já quando avançam, podem ter efeitos devastadores, incluindo a amputação do órgão sexual. 

No Peru, um total de 10 mil casos de homens com esses tipos de câncer foram diagnosticados no ano de 2021, de acordo com a Liga Contra o Câncer. Em 45% deles, contudo, já era tarde demais: o estágio avançado dos tumores tornava a cura improvável. 

Em vista desses dados, a organização privada firmou uma impressionante colaboração com o Museu Arqueológico Rafael Larco Herrera, localizado na cidade de Lima, e criou uma exposição que tinha por objetivo ensinar homens a fazerem o auto-exame de detecção dessas doenças. 

Unindo o útil ao agradável 

Para ensinar as táticas de prevenção aos tumores que afetam o órgão sexual masculino, os visitantes foram convidados a tocar as genitálias de estátuas de cerâmica que imitavam uma coleção erótica de arte pré-colombiana criada pela civilização moche, que veio antes dos incas. 

Fotografia de mais itens da coleção erótica do local / Crédito: Divulgação/ Museu Arqueológico Rafael Larco Herrera

Os mochicas formaram uma sociedade agrícola, habitando o norte do Peru entre 100 e 800 anos antes de Cristo. 

De acordo com informações divulgadas pela Reuters no último dia 28 de fevereiro, o nome do inusitado evento de fins educativos foi "Toque os Genitais dos Mochicas". 

O objetivo é aproximar o conhecimento de nossos ancestrais sobre o corpo humano, expresso através desses vasos de cerâmica", descreveu Ulla Holmquist, que é a diretora do Museu Larco.

A exposição contou com centenas de réplicas de "huacos", que é um termo que é usado para se referir às peças de cerâmica criadas pelos povos pré-colombianos do Peru.

Muitas das estatuetas estavam em posições sexuais, e todas tinham suas genitálias à mostra para que os visitantes pudessem tocá-las durante sua simulação de um autoexame preventivo. 

Outro item presente na coleção erótica do museu / Crédito: Divulgação/ Museu Arqueológico Rafael Larco Herrera

A detecção oportuna de câncer da genitália externa em homens, tanto no pênis quanto nos testículos, é muito baixa. Muitos não sabem como explorar seus genitais, o que é chamado de palpação. Com isso [a palpação], podemos dar um diagnóstico precoce", afirmouGiselle Grillo, uma enfermeira da Liga Contra o Câncer, ainda segundo a Reuters.