Matérias » Roma Antiga

Constantino, o Grande: O primeiro imperador cristão

Neste dia, em 272, nascia o líder romano que encontrou refúgio na fé do Cristo crucificado

André Nogueira Publicado em 27/02/2020, às 09h00

Ilustração com o busto de Constantino, o Grande
Ilustração com o busto de Constantino, o Grande - Getty Images

Constantino I, o Grande, foi o primeiro imperador romano convertido ao cristianismo. Ele foi responsável pelo fim da proibição do culto no início do século quarto, fato que fez seu nome entrar para a História. Para além das análises históricas personalistas, podemos ver a atitude de Constantino como parte de uma jogada política relevante durante a crise do Império Romano.

Antes de sua conversão, o imperador era devoto do panteão latino, autodeclarado descendente de Hércules até se identificar com o culto a Mitra. Num cenário em que o império estava dividido numa tetrarquia (dois césares em cada Império, o oriental e o ocidental), Constantino lutava pela sua hegemonia, tentando retomar a monarquia clássica. 

Uma guerra entre imperadores teve início após a morte do pai de Constantino, Constâncio, cujo principal general era Galério. Uma disputa de poder interna no Império Ocidental se deu entre César, sucessor legítimo, e Constantino, que fora concebido Augusto pelo Exército. Nesse conflito, entrou também em disputa o Império Oriental, com o imperador Maxêncio e seu César, Licínio.

Busto de Constantino no Capitólio Romano / Crédito: Wikimedia Commons

 

Quando Galério morreu, Constantino assumiu oficialmente o império sem a aceitação de Maxêncio. Então, a guerra entre os impérios continuou e, em meio ao cenário caótico, o imperador do Ocidente teria sonhado com uma cruz que retratava os dizeres: In hoc signo vinces (Sob esse signo, vencerás”, em português). Constantino mandou que todos os soldados pintassem o símbolo cristão em seus escudos: eles venceram. 

Com a vitória, Constantino passou a se interessar pelo Cristianismo. Até esse ponto, a conversão do imperador ainda competia a seu escopo pessoal. Ao mesmo tempo, a ação acabou tendo um papel diplomático relevante: se aproximando do então imperador oriental Licínio em 313, Constantino declarou o fim da perseguição dos cristãos, no Édito de Milão

A atitude fez com que o imperador fosse bem visto pela vertente. Assim, Constantino se aproximou cada vez mais do Império do Oriente, até ordenar a morte de Licínio e reunificar o poder.  

Primeiro Concílio de Nicea / Crédito: Getty Images

 

Em 325, ele convocou o Concílio de Niceia, onde foi organizado o primeiro encontro ecumênico da História. Lá, foram reunidos importantes bispos do Cristianismo Primitivo para a reformulação e estruturação do dogma dos adoradores de Cristo. Foram tratados temas como datas, a canonização bíblica, políticas oficiais de batismo e de conversão, além de outros temas relevantes.

Sua relevância geopolítica foi gigante. "Esse primeiro concílio em Niceia foi importante não apenas para a formulação da doutrina cristã, mas como o primeiro exemplo de cesaro-papismo”, afirma Steven Runciman, em seu livro A Civilização Bizantina.

A cruz de Constantino aparece no céu / Crédito: Getty Images

 

A conversão religiosa foi também o primeiro passo para o desenvolvimento da fé em Cristo enquanto igreja, um processo longo e descontínuo. Por fim, seu legado possibilitou que, em 380, o então imperador Teodósio I declarasse o Cristianismo religião oficial do Império Romano, característica que ganhou destaque durante a queda do Estado romano e a transição para a Idade Média.


+ Saiba mais sobre o cristianismo em Roma pelas obras abaixo:

Vida de Constantino - https://amzn.to/2PU8MAO

História do cristianismo: Uma obra completa e atual sobre a trajetória da igreja cristã desde as origens até o século XXI - https://amzn.to/35RM5mw

Helenismo, Roma e Cristianismo Primitivo. História das Idéias Políticas - https://amzn.to/35TViL1

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.