Matérias » Estados Unidos

Solidão e furtos: Christopher Knight, o eremita que se escondeu por 27 anos na mata

De 1986 a 2013, Knight largou tudo e permaneceu afastado da civilização por um motivo bastante incomum

Vanessa Centamori Publicado em 14/07/2020, às 12h38

Christopher Knight
Christopher Knight - Divulgação/Polícia de Maine

Em 1986, Christopher Knight não se despediu de ninguém. Aos 20 anos, adentrou a floresta na zona rural do Maine, no Nordeste dos Estados Unidos. Deixou seu carro para trás e seus suprimentos de acampamento. Um desejo bem forte o impulsionava: a ambição de ficar só. 

No entanto, o que acontece com muitos de nós é que logo essa vontade passa. A solidão vira dor. Ainda assim, a vontade de fugir para a floresta não era momentânea para Kight. Com grande determinação, ele apagou seus próprios rastros — e foi assim por 27 anos. 

Motivação

Sua história foi remontada pelo escritor Mike Finkel, autor do livro The Stranger in the Woods: The Extraordinary Story of the Last True Hermit (O estranho na floresta: A extraordinária história do último eremita verdadeiro). 

Em entrevista feita pela rede BBC, Finkel revela que Chris Knight sentia desconforto ao estar perto de outras pessoas. Ele até tentou questioná-lo se realmente o motivo para seu retiro na floresta não seria a vergonha de algum crime. Mas, Knight negou. 

Não era isso. Nenhum acontecimento específico originou sua fuga à mata, mas sim uma motivação interna bem incomum. "[Ele] disse que o impulso de ficar sozinho era como uma força gravitacional e que seu corpo inteiro dizia que se sentia mais confortável sozinho", contou o autor. 

Imagem ilustrativa de região florestal em Maine, nos Estados Unidos /Crédito: Wikimedia Commons 

 

Rotina na selva

Solitário porque quis, Christopher Knight não falou com ninguém por quase três décadas. A não ser um turista, com quem ele cruzou um dia e disse "oi". O homem vivia afastado de qualquer interação humana.

Mais precisamente, residia em uma pequena clareira próxima ao lago North Pond. Lá ele ergueu uma tenda pequena de nylon onde vivia, escondido de tudo e de todos.  Suportou invernos congelantes, que podem chegar aos 20°C negativos.

Ainda assim, Knight disse que nunca acendeu um fogo. Não queria que a fumaça trouxesse alguém para perto dele. Mas como conseguiu sobreviver no frio? segundo o eremita, ele ia dormir logo cedo, por volta das 19h.

Então, sua estratégia era colocar um despertador para as 3h da manhã, horário em que a noite fica mais fria. Desse modo, para sobreviver, ele levantava e caminhava no intuito de se aquecer até o amanhecer.

Uma vez que o frio era uma questão controlada, e a solidão? essa, ainda que não o afetasse tanto, também era contornada de certa forma. Knight gastava seu tempo acumulado com a leitura de livros, palavras cruzadas e jogando jogos em um gameboy furtado. Uma distração revelante, levando em conta que ele tinha anos a fio só para si mesmo. 

Christopher Knight em seu julgamento /Crédito: Divulgação/Youtube/Programa News 8

 

O ladrão oculto 

O eremita também fazia de tudo para não ser visto. Procurava ocultar suas pegadas na neve e se mantinha distante de cabines de verão, que estacionavam em áreas próximas. Em vez de fogueiras, ele usava fornos de propano para derreter neve que usava para tomar água e se limpar. 

Os fornos eram itens roubados por Christopher Knight de cabanas e acampamentos locais. Sagaz, o homem entrava e pegava os cilindros de propano cheios, substituindo os equipamentos por outros já usados e vazios. 

Outra coisa era que ele estocava alimentos nos meses frios. Muitas das comidas, roupas, baterias e livros eram roubados de um centro comunitário. No total, foram mais de mil furtos, e claro que eles não passaram despercebidos. A onda de crimes foi interrompida em 2013, quando Knight foi pego em flagrante. 

Prisão 

A prisão do norte-americano foi feita pelo guarda florestal Terry Hughes, no dia 4 de abril daquele ano. Na ocasião, o eremita estava no acampamento Pine Tree, na Geórgia, quando foi pego no flagra em mais uma tentativa de roubo. 

A condenação foi de sete meses de prisão, os quais ele serviu ainda enquanto esperava a sentença (com exceção de apenas uma semana). Knight se demonstrou arrependido pelos furtos e pagou um valor monetário às vítimas. Entrou também em um programa de reabilitação.  

Sobre sua experiência, ao escritor Mike Finkel, o eremita afirmou que "a solidão concede um aumento de algo valioso", tal como a sua percepção. "Mas... quando eu apliquei minha percepção aprimorada a mim mesmo, perdi minha identidade", disse. 


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Livro dos Naufrágios: Ensaio Sobre a História Trágico-Marítima, de Angélica Madeira (2005) - https://amzn.to/2VuOTTR

Três destinos, de Nora Roberts (2019) - https://amzn.to/2XTfECZ

O Terrorismo do Crime Organizado: uma Análise da Macrocriminalidade Brasileira,de William Barbosa Pimentel da Silva (2020) - https://amzn.to/3cW3xd7

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W