Como os índios faziam no inverno?

Teriam eles uma capacidade anormal de aguentar nus um frio de menos de 10 graus?

Fábio Marton e Tatiana Bandeira

Inuíte canadense com pintura indígena brasileira; algo no meio do caminho | <i>Crédito: Lomen Brothers
Inuíte canadense com pintura indígena brasileira; algo no meio do caminho | Crédito: Lomen Brothers

Usavam roupas. 

A resposta é tão óbvia que soa mal-educada. Mas o fato é que o imaginário popular está mal informado. 

Conforme a antropóloga Tatiane Klein, pesquisadora do Centro de Estudos Ameríndios da Universidade de São Paulo (USP), os índios que povoam o imaginário comum – aqueles dos tempos de Pedro Álvares Cabral –,  que correspondem a uma ideia de indígenas que "vivem/viviam sem roupa", "são um estereótipo, um preconceito relacionado à imagem de um índio genérico, que ignora a diversidade de povos existente no Brasil e suas culturas". 

Na época das descobertas, os índios brasileiros ficaram tão famosos por andarem nus que acabaram dando origem à ideia do bom selvagem, de que vivessem no paraíso, como nos tempos de Adão e Eva. Mas eles conheciam roupas.  Quando batia a friaca, usavam casacos feitos de peles, palha ou algodão, o mesmo material com que fazem redes. 

E isso de fazerem redes demonstra por que não é nenhum mistério: a tecnologia de fazer tecidos - e roupas - sempre esteve no arsenal tecnológico dos índios do Brasil. Afinal eles, como todos os povos da América, chegaram ao continente através do Estreito de Bering, da Sibéria para o Alasca. Teria sido impossível fazer essa travessia pelo gelo sem roupas. 

Acima, uma imagem de Debret dos botocudos em 1834, Eles viviam no Espírito Santo e ainda assim portavam capas. No quadro, provavelmente cerimoniais, usadas apenas pelos homens, mas certamente viriam a calhar diante de uma frente fria. Há várias outras imagens antigas de índios vestidos. O fato é que, técnica contra o frio,"cada povo tem a sua", como diz Klein. "Em comum, contra as intempéries, seja frio ou calor, estão os conhecimentos astronômicos, meteorológicos e ambientais, que indicam se vai chover, se vai fazer sol, que dão sinais." 

E a técnica não se limita a roupas. A antropóloga lembra que, para se aquecer, os povos como os guaranis (espalhados atualmente em SP, SC, PR, RS, MS e PA), utilizavam e ainda usam técnicas de construção coletiva, chá de erva-mate (que originou o chimarrão dos gaúchos), fogueiras, mingaus etc. Já no caso dos Kaingang (presentes no RS, SC, PR e SP), foram encontradas casas subterrâneas. Os ashaninka, que vivem no Acre, próximo da fronteira com o Peru, quando chegavam as primeiras frentes frias, adotavam uma roupa tradicional, semelhante a um poncho, junto com um cocar específico. 

Onde o friozinho só bate à noite, ficar na aldeia em volta da fogueira, tomando uma com os amigos, pode ser o bastante para dispensar a roupa o ano inteiro. Mas é bom lembrar que mesmo os povos que podem andar sempre nus fazem uso de acessórios como o uluri, o cinto "de castidade" das mulheres indígenas, que elas usam para dizer que não estão disponíveis - e nenhum homem pode tocá-las. O que acontecia e acontece é que não há nenhuma obrigação cultural de usar roupas - ou, melhor dizendo, de tapar o sexo, porque adereços como o uluri, cocares e mesmo a pintura facial são, para propósitos sociais, roupas, cumprindo a função de identificar o povo e o indivíduo. 

Na maior parte do ano e na maior parte do Brasil, esses adereços, fogueiras e sopinhas eram suficientes. Quando e onde não eram, as onças pagavam o pato.


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História