Encontradas as minas do rei Salomão

É o que acredita arqueólogo israelense, que desenterrou um vasto complexo de mineração da época do rei bíblico

Redação AH

O rei Salomão recebe a rainha de Sabá, quadro de 1890 | <i>Crédito: Edward Poynter
O rei Salomão recebe a rainha de Sabá, quadro de 1890 | Crédito: Edward Poynter
Arqueólogos israelenses acabam de publicar o resultado de suas pesquisas num sítio arqueológico datado do século 10 a.C. - época do reino de Salomão (970-931 a.C.). Trata-se de um complexo de mineração de cobre avançado e fortificado. Em outras palavras, minas do rei Salomão.

O lugar já era conhecido desde 1934. Era chamado "Colina dos Escravos", porque se acreditava ser só isso, uma senzala da Antiguidade. Em 2012, um time de arqueólogos liderado por Erez Ben-Yosef, da Universidade de Tel Aviv, começou a estudar o local. Desde o começo, o arqueólogo já afirmava acreditar estar diante dessas minas. 

O trabalho de anos revelou que, definitivamente, não era uma senzala. Tratava-se de um sistema de fortificações, com um grande portão defensivo, indícios de fundição de cobre e - pasme! - passagens secretas para carregar o minério desviando-se do ataque de inimigos. Os arqueólogos puderam até mesmo entender com o que os animais domésticos eram alimentados: bagaço de uva, o que devia vir de longe, mostrando a importância estratégica do complexo. 

O portão do complexo, incluindo duas torres defensivas / Erez Ben-Yosef et al

Por anos, pairou a dúvida que sequer tenha havido um reino de Salomão - que, enfim, tudo fosse só uma lenda bíblica. Ben-Yosef acredita ter matado essa dúvida: "a precisão histórica dos relatos do Velho Testamento são discutidas, mas a arqueologia não pode mais ser usada para contradizê-las", afirmou ao site Sci-News. "Muito pelo contrário, nossas descobertas estão em pleno acordo com a descrição de conflitos militares contra uma sociedade hierárquica e centralizada na região do Mar Morto."

VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História