Não está na tumba

A cabeça de Shakespeare pode ter sido roubada

Fabio Marton

Radar indica que corpo do escritor não está inteiro | <i>Crédito: divulg.
Radar indica que corpo do escritor não está inteiro | Crédito: divulg.
Um grupo de arqueólogos da Staffordshire University (Reino Unido) estudou com radar a tumba do grande bardo da Inglaterra, na Igreja da Sagrada Trindade, em Stratford-upon-Avon. O resultado foi que, enquanto a parte de baixo do caixão parecia não ter sido violada, a de cima indicava não só um ataque mas também nenhuma evidência de certa parte fundamental. Alguém roubou o crânio de William Shakespeare. Isso não foi agora, mas há mais de dois séculos. A aposta da equipe é que o culpado foi certo doutor Frank Chambers, que teria atacado a sepultura em 1794. Chambers respondia a uma aposta do escritor Horace Walpole, que havia dito que daria 300 libras para quem trouxesse a ele a cabeça do artista. 
Por que essa obsessão mórbida? Na época, estava em voga a pseudociência da frenologia, que dizia ser possível tirar conclusões sobre a personalidade de uma pessoa por meio do formato de seu crânio. Isso incluía a pessoa ser um gênio. “Havia muitos roubos de tumbas de pessoas famosas numa tentativa de ver se a pessoa era um gênio”, afirma o arqueólogo Kevin Colls, condutor do estudo. “Imagino que Shakespeare seria um alvo muito valioso.”
Quanto ao bardo, parece que ele previu o infame destino de sua tumba. Em seu epitáfio, se lê: Good frend, for Iesus sake forebeare To digge the dust encloased heare. Bleste be ye man spares these stones, And curste be hemy bones. O que, em inglês elizabetano, quer dizer: “Bom amigo, pela graça de Jesus evite cavar a poeira aqui enclausurada. Abençoado seja o homem que poupar estas pedras e maldito aquele que mover meus ossos”. O médico ladrão não devia acreditar em maldições. 

21/05/2016 - 08:28

Conecte-se

Revista Aventuras na História
Coleção CARAS