Nazistas vs Ucranianos: O jogo da morte

Invasores queriam forçar o time local a perder, sob ameaça de execução; eles não aceitaram

Fernando Moretti

Bola de futebol com o simbolo nazista | <i>Crédito: Shutterstock
Bola de futebol com o simbolo nazista | Crédito: Shutterstock

Primeiro tempo. O Flakelf, time dos orgulhosos pilotos da Luftwaffe, vencia o Start por 1 a 0 na base do pontapé e da ajuda do árbitro. Os jogadores ucranianos do Start dominavam a bola e escapavam como podiam das ferozes divididas e aos poucos foram impondo seu estilo. Num avanço rápido, Kusmenko driblou o zagueiro alemão em direção à meia-lua e foi puxado pela camisa por trás. A torcida vaiou a complacência do árbitro. Kusmenko, ainda em movimento, dominou a bola, saltou sobre outro zagueiro alemão que vinha num arrebatado carrinho e meteu um chute direto na gaveta, empatando o jogo.

A torcida ucraniana enlouqueceu. O grito de gol foi como se tivessem se libertado da opressão. Sim, era uma partida de futebol entre invasores e conquistados. No dia 9 de agosto de 1942, ela era importante para os dois lados, em guerra desde 1941.

A partida

A partida não foi jogada no Estádio Stalin (ironicamente inaugurado em 22 de junho de 1941, dia da invasão) ou no do Dynamo (o tradicional, inaugurado em 1927), mas no pequeno estádio Zenith, com capacidade para 10 mil torcedores. "Isso era para o caso de os alemães perderem e não haver desordem na saída", afirma o escritor inglês James Riordan, autor de Match of Death ("Jogo da Morte"). "O estádio estava cercado por soldados armados e cães. Os assentos foram ocupados por soldados nazistas e mercenários ucranianos. O resto do espaço foi preenchido por velhos, mulheres e crianças, arrebanhados para testemunhar a vitória germânica." Kiev, capital da Ucrânia, estava sob o domínio do exército nazista desde 26 de setembro de 1941. O torneio de futebol fora suspenso e os jogadores da cidade estavam no front. Com a ocupação, os soldados foram aprisionados e enviados a campos de concentração nos arredores da cidade. Parte foi executada. Outros, enviados à Alemanha para trabalhos forçados. Alguns presos classificados como "inofensivos" foram libertados e voltaram a Kiev, onde perambulavam como mendigos, sem trabalho, casa ou comida. 

Eventualmente reuniam-se na Padaria N°3, que abastecia toda a cidade, inclusive as tropas nazistas. O gerente, Iosif Kordik, empregava alguns jogadores desocupados, como Nicolai Trusevich, ex-goleiro do Dynamo. O time, fundado em 1927, era destaque no campeonato nacional soviético de futebol desde seu início, em 1936, quando foi vice-campeão, perdendo para o Spartak de Moscou. Kordik, torcedor fanático do Dynamo, teve a ideia de montar um time de futebol amador visando manter os homens motivados. Pediu a Trusevich para encontrar seus velhos companheiros de bola, inclusive os da equipe rival, o Lokomotiv. O faxineiro passou a primavera de 1942 atrás deles e encontrou Makar Goncharenko, do Dynamo. O jornalista e escritor escocês Andy Dougan relata em seu livro Futebol e Guerra as palavras de Goncharenko: "Nicolai me encontrou na Rua Kreschatick, onde eu morava ilegalmente na casa da minha sogra, e veio com a ideia de procurar os meninos".

O time Start / Domínio publico

Nas semanas seguintes, formaram um time que batizaram de FC Start. Eram oito jogadores do Dynamo e três do Locomotiv, que batiam bola à noite no fundo da padaria. Logo decidiram encarar um torneio municipal organizado pelos nazistas. Usariam camisas vermelhas, que Trusevich e Putistin acharam num depósito abandonado. Trusevich dizia que suas armas seriam as vitórias no gramado, e a camisa vermelha jamais seria derrotada pelos nazistas. E não foi mesmo. No campeonato, o Start só aplicou goleadas: 6 a 2 na Guarnição Húngara; 11 a 0 na Guarnição Romena; 9 a 1 nos Operários da Estrada de Ferro; sempre encantando o público com seu futebol estiloso. Então veio um convite para enfrentar um time militar alemão, o PGS. Venceram por 6 a 0. 

Derrota nazista 

Os nazistas, humilhados, desafiaram o Start a jogar contra o poderoso Flakelf (literalmente: "11 à prova de balas"). Em 6 de agosto o subnutrido time do Start derrotou o bem alimentado time nazista em seu melhor estilo: 5 a 1. O Start havia vencido todos os times dos inimigos. Mas a gota d água foi ter goleado o Flakelf, o time de pilotos da Luftwaffe e dos artilheiros (de verdade, eles manejavam artilharia antiaéreas). Inconformados com a derrota para o "time da padaria", os nazistas pediram revanche. 

Naquela tarde de domingo de agosto, a população de Kiev só pensava em ver os opressores goleados e humilhados. O estádio fervilhava. Os nazistas remexiam-se nos assentos esperando pelo início do tira-teima. O árbitro, um oficial da SS, foi antes do jogo ao vestiário do Start e disse aos atletas que eles deveriam seguir todas as regras, inclusive fazer o cumprimento à moda nazista. Antes de começar o jogo, os atletas se perfilaram, tendo ao fundo bandeiras vermelhas com a suástica. Os alemães, de calções pretos e camisas brancas, saudaram com o notório Heil, Hitler! Os ucranianos (de calções brancos e camisas vermelhas) levantaram parcialmente os braços e bateram as mãos no peito gritando: "Fizkult-urra-urra-urra!", ou seja: "Viva a Fisicultura" ou "Hurra ao esporte", uma tradicional saudação soviética. 

O árbitro soou o apito e então só fez vistas grossas às faltas do Flakelf, inclusive sobre o goleiro Trusevich, que sofria uma pancada a cada defesa. Foram tantas que após levar um chute na cabeça, ainda meio tonto, não conseguiu evitar que os alemães abrissem a contagem. No final do primeiro tempo, Goncharenko arrancou soberano, driblou toda a defesa do Flakelf e estufou as redes: 2 a 1. Nem bem o Flakelf deu a saída, o Start retomou a bola e num ataque fulminante meteu mais um 3 a 1. A situação ficou ruim para os alemães. No intervalo, um colaborador dos nazistas, Georgi Shvetsov, foi ao vestiário do Start e pediu para entregarem o jogo. Um oficial da SS que o acompanhava sugeriu que deveriam perder... ou haveria consequências. 

Os times foram para o segundo tempo. O árbitro deixava a pancadaria correr solta. O Flakelf pressionou e marcou dois gols, deixando os nazistas contentes com os 3 a 3. Mas o Start tinha futebol para liquidar a fatura. E em dois lances fez dois gols: 5 a 3. Pouco antes de acabar a partida, o zagueiro Klimenko driblou toda a defesa alemã e o goleiro, mas em vez de cruzar a linha do gol, virou-se e chutou a bola de volta para o meio-campo. O árbitro apitou o final de jogo antes dos 45 minutos. 

Jogo da morte

Muita coisa se escreveu sobre o "jogo da morte". O escritor uruguaio Eduardo Galeano registra em seu livro Futebol ao Sol e à Sombra: "Durante a ocupação alemã, eles [o Dynamo de Kiev] cometeram o ato insano de derrotar o esquadrão de Hitler no estádio local. Depois de terem sido avisados de que "se ganharem vão morrer", estavam conformados de perder, tremendo de medo e fome, mas não puderam resistir à tentação da dignidade. Quando o jogo acabou todos os onze foram mortos com suas camisas à beira de um precipício". 

Poster anunciando o jogo / Wikimedia Commons

Galeano estava espalhando uma lenda urbana. Consta que o Start jogou no dia 16 contra o Rukh e aplicou uma goleada de 8 a 0. Essa sim foi a última partida. No dia 18, a Gestapo invadiu a Padaria N°3 e prendeu 9 jogadores, alegando suspeita de trabalharem para a NKVD, a polícia secreta comunista à qual os atletas do Dynamo eram obrigados a se filiar durante o período da União Soviética para poder jogar futebol. Depois prenderam os jogadores Nicolai Korotkikh e Oleksiy Klimenko. O primeiro morreu torturado e o segundo, baleado ao tentar fugir da Gestapo. O resto do time foi enviado ao campo de Siretz - onde os prisioneiros trabalhavam como escravos até a morte. 

Em fevereiro de 1943, em represália às dissidências ucranianas, os nazistas executaram um terço dos prisioneiros de Siretz, entre eles Ivan Kuzmenko e Nicolai Trusevich. Conta-se que, ao ser alvejado, Trusevich caiu ao chão, mas com sua agilidade de atleta voltou a ficar de pé e gritou: "O esporte vermelho jamais morrerá!" E então caiu sem vida, vestido com sua camisa vermelha e preta de goleiro. Essa dramática história foi contada por Fedir Tyutchev, Mikhail Sviridelsky e Makar Goncharenko, que fugiram de Siretz em 6 de novembro de 1943 e foram acolhidos pelo Exército Vermelho, que a essa altura da guerra entrava em Kiev. 

O jornal soviético Izvestia foi o primeiro a denunciar a execução dos atletas pelos alemães, mas não contou nada sobre o jogo da morte. O assunto veio à tona em 1958, quando Petro Severov publicou o artigo O Duelo Final no jornal Evening Kiev.

Em 1959, Severov e Naum Khalemsky lançaram um livro com o mesmo título. Mark Pougatch, apresentador de esportes da emissora BBC, da Grã-Bretanha, citou um documentário grego sobre o evento no qual um ex-jogador do Flakelf chamado Willie Endelbardt afirmava que antes do jogo um oficial alemão entrou no vestiário e disse aos jogadores: "Este é um jogo especial e vocês têm que vencer para provar a superioridade da raça ariana". Willie afirmou que os alemães respeitaram os adversários. 

Em 1992, Makar Goncharenko revelou, pouco antes de morrer, que o árbitro alemão foi ao vestiário antes do jogo, mas não fez qualquer ameaça, apenas pediu para seguir as regras e saudar o adversário à moda nazista.

Em 2005, numa inquirição que durou cerca de 40 anos, a Comissão de Investigação de Hamburgo não encontrou ligação entre a vitória no jogo e a morte dos ucranianos. Para endossar o que de fato aconteceu, há uma foto tirada antes da partida em que alemães e ucranianos estão juntos e sorrindo. Mas não há registros do que ocorreu durante e depois do jogo da morte. 


Sem judeus e sem vitórias 

Futebol alemão sob nazismo pouco fez em campo 

Time nazista em 1935 / Domínio publico 

O futebol nazista nasceu em abril de 1933, quando o Parágrafo Ariano (Arienparagraph) proibiu judeus de atuarem nos clubes e na seleção do país. A partir de então, o supertime alemão não se saiu muito bem. Na Copa de 1934, na Itália, perderam para a Tchecoslováquia por 3 a 1 e ficaram em 3º lugar. Nas Olimpíadas de 1936, em Berlim, foram despachados pela Noruega por 2 a 0. Em maio de 1938, perderam para a seleção inglesa por 6 a 3 em amistoso no Olympic Stadium de Berlim, na presença de Herman Goering. Na Copa de 1938, na França, foram eliminados pelos suíços. 


Saiba mais

Futebol e Guerra, Andy Dougan, Jorge Zahar, 2004


VEJA MAIS:

Conecte-se

Revista Aventuras na História