Curiosidades » Ásia

Mulheres fora do trono e imperador formado em História: 5 curiosidades da monarquia do Japão

Sendo a mais longeva dinastia em vigor na História, o molde político japonês chama atenção

Wallacy Ferrari, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 03/07/2021, às 08h00

Imperador Naruhito e a esposa Masako em trajes imperiais
Imperador Naruhito e a esposa Masako em trajes imperiais - Wikimedia Commons / 在ムンバイ日本国総領事館

Considerado um dos países de maior destaque internacional pela organização meticulosa dos mecanismos sociais, além de investir em tecnologia de ponta, o Japão chama atenção por contrastar sua potência econômica com um molde político antigo, conforme previsto pela mais recente constituição do país, que passou a vigorar em 1947.

Nela, o país prevê a monarquia constitucional unitária, que designa o poder a um imperador junto de um parlamento.

A medida mantém uma das origens do país e, dessa maneira, consegue embasar o progresso da nação — logo, uma mudança nada habitual, como o presidencialismo ou o parlamentarismo, seria adaptada com menor facilidade.

Sabendo disso, o site Aventuras na História separou alguns fatos históricos para conhecer melhor o molde imperial japonês.

Confira 5 curiosidades da monarquia do Japão.

1. Duração recorde

A Casa Imperial do Japão mantém o poder sobre a nação desde 660 a.C., sendo a atual dinastia mais antiga do planeta que ainda está em vigor. Com isso, as ligações diretas de herdeiros na monarquia japonesa permitiram 126 trocas de líderes durante o período, iniciando pelo imperador Jinmu, até o atual Naruhito, todos descendentes diretos.


2. Força sobrenatural?

Se engana quem pensa que a posição é unicamente política; há uma crença, que é passada gerações a diante, de que todos os imperadores descendem de Amaterasu Ninigi, atribuída pela lenda local como deusa do sol, considerada a mais importante pois "sem o sol, não haveria a luz" e seus progressos.

Pintura de Amaterasu com imperador no canto inferior direito / Crédito: Wikimedia Commons / Domínio Público

 

A ligação mais próxima foi do primeiro imperador, Jinmu, que teve Amaterasu como tataravó, passando para gerações seguintes a capacidade de decidir com sabedoria, como descreve o portalOpera Mundi.

A lenda é contestada por opositores do molde imperialista, que argumentam ser fruto de uma fantasia para convencer a população de suas capacidades de governar.


3. Mulheres fora do trono

Apesar de exemplificar para o mundo o equilíbrio do imperialismo sem o ditatorialismo, um dos fatores conservadores se mantém desde a fundação; mulheres são impedidas de assumir o cargo máximo do país, mesmo que sejam descendentes diretas. A medida foi atualizada na constituição de 1947, que reiterou a medida.

Contudo, durante todo o período do império, oito mulheres assumiram a função — todas em caráter provisório, até que o próximo homem pudesse assumir, avaliando idades dos outros descendentes ou até escolha entre irmãos.

A medida também é contestada por opositores como ultrapassada, exemplificando a atuação de Elizabeth IIna monarquia do Reino Unido.


4. Abdicando o trono

A medida de afastar as mulheres da monarquia resulta em situações problemáticas; as princesas, filhas do líder, devem abdicar do título real caso oficializar uma relação com um plebeu, recebendo uma quantia financeira para deixar de ser nobre e manter uma segurança financeira fora da realeza, como registrou o portal Último Segundo, do IG.


 

 

5. Atual imperador

O atual responsável por ocupar o Trono do Crisântemo é Naruhito, com 61 anos de idade. Ele ocupa o cargo de imperador desde 1 de maio de 2019, visto que seu pai, Akihito, foi o primeiro imperador a renunciar em 200 anos de dinastia, visando sua saúde física e mental e deixando o cargo aos 85 anos. 

Naruhito herdou a política pacífica do pai, contrastando com a postura do avô Hirohito, que esteve à frente do Japão durante a Segunda Guerra Mundial. Ele é formado em História pela Universidade de Gakushuin.

O imperador Naruhito com a esposa Masako, em 2019 / Crédito: Wikimedia Commons / Consulate-General of Japan at São Paulo

 

Desde 1993, é casado com Masako Owada, que na época trabalhava no Ministério das Relações Exteriores, deixando de lado a carreira diplomática para acompanhar o imperador.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Musashi - Box 3 volumes, de Eiji Yoshikawa (2020) - https://amzn.to/39n0ytc

História Concisa do Japão, de Brett L. Walker (2017) - https://amzn.to/2ZUh3Ka

O Preço da Desonra. Kubidai Hikiukenin, de Hiroshi Hirata (2020) - https://amzn.to/3jzmgid

História do Japão, de Kenneth Henshall (2008) - https://amzn.to/3fW57gA

O fogo entre a névoa, de Renée Ahdieh (2018) - https://amzn.to/39tItK6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W