Curiosidades » Personagem

Negro Matapacos: o militante de quatro patas que só mordia policiais

O animal de rua ganhou notoriedade por morder somente policiais, protegendo manifestantes durante os protestos no Chile, em 2011

Victória Gearini Publicado em 12/12/2019, às 21h00

Negro Matapacos durante manifestação no Chile, em 2010
Negro Matapacos durante manifestação no Chile, em 2010 - Divulgação

Negro Matapacos foi um cão vira lata que ficou famoso durante os protestos pela educação no Chile, em 2011. Na época, o animal surgiu entre os manifestantes e enfrentou gás lacrimogêneo e canhões de água para protegê-los. Devido sua coragem, foi chamado de Negro Matapacos, ou seja, "mata policial".

[Colocar ALT]
Representação de Negro Matapacos em Santiago, Chile / Crédito: Wikimedia Commons

No começo da década, o movimento estudantil chileno foi duramente reprimido pelo governo de Sebastián Piñera. Diversos manifestantes foram agredidos covardemente em praças públicas. Neste cenário, surgiu um cachorro de rua todo preto que, como um herói, se colocou na frente dos manifestantes e curiosamente só atacava as autoridades.

O animal logo foi adotado pelos militantes e ficou conhecido como Negro Matapacos —termo pejorativo que os chilenos usam para se referir aos policiais. Ele se colocava na primeira fila dos protestos, e driblava os escudos e bombas, para morder as tropas de choque.

Os militantes passaram a vesti-lo com um lenço vermelho, que a cada confronto era trocado. Além disso, recebia comida, banho e outros confortos. A figura revolucionária do vira-lata preto rapidamente foi divulgada pelo país e virou símbolo de luta.

Grafite em um muro localizado em La Cisterna / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em 2013, o documentário Matapaco, dirigido por Victor Ramirez, Carolina Garcia, Nayareth Naim, Francisco Millán e Sergio Medel de Enmarcha Films, ganhou o prêmio de Melhor Documentário no Festival de Santo Tomas de Viña do Mar. Além disso, há estátuas do animal instaladas em Iquique e Santiago.

Estátua de Negro Matapacos localizada no Chile / Crédito: Wikimedia Commons

 

Infelizmente Negro Matapacos faleceu no dia 26 de agosto de 2017, decorrente de velhice, mas seu espírito rebelde se mantém vivo até os dias de hoje, sendo eternizado em cada protesto no país.


+Saiba mais sobre as revoluções chilenas:

1. Breve historia de Chile (Edição Espanhol), de Alfredo Sepulveda (2018) - https://amzn.to/2PeuAGR

2. A Revolução Chilena, de Peter Winn (2010) - https://amzn.to/36uznd6

3. Estádio Chile 1973: Morte e Vida de Víctor Jara, a Voz da Revolução Chilena, de Mauricio Brum (2014) - https://amzn.to/2PcJm0S

4. O reformismo e a contrarrevolução: Estudos sobre o Chile, de Ruy Mauro Marini (2019) - https://amzn.to/34fNP7o

5. Armênio Guedes: Um comunista singular, de Mauro Malin (2018) - https://amzn.to/38tLby5

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.