Por que não chamamos a onça de jaguar?

...afinal, a palavra vem do tupi e o resto do mundo chama assim

Fábio Marton Publicado em 02/02/2017, às 16h42 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h35

A bela fera que o resto do mundo conhece por jaguar
A bela fera que o resto do mundo conhece por jaguar - Pixabay


DITO & FEITO

Quando os portugueses chegaram ao Brasil, usavam a palavra "onça" para outro felino, o lince europeu. O termo veio do latim vulgar luncea, do latim clássico lyncea, por sua vez do grego lygx. 

Os tupis chamavam o bicho de ya'wara, "jaguar", palavra que não é muito usada por aqui, mas que deu origem ao nome do animal no resto do mundo - inclusive Portugal, que espalhou o termo para as outras línguas. Como aconteceu de chamarmos o majestoso predador por uma palavra para um animal bem mais modesto, quando os índios já tinham um nome tão sonoro?

Jaguar não colou muito no Brasil porque ya'wara queria simplesmente dizer "fera". Daí eles começarem a usar o termo para outro bicho que achavam bravo: os cachorros que os portugueses trouxeram. Por isso "jaguara" quer dizer vira-latas até hoje em várias partes do Brasil. Para não confundir onça com cachorro - o que, não é mistério, pode acabar mal -, preferiu-se o termo europeu para lince, também porque não existiam linces aqui para alguém se confundir. 

Em algumas partes do Brasil, e também no Paraguai e Argentina, a palavra "jaguar" quase colou. Fala-se "jaguaretê", de ya'ara-ete, "fera verdadeira", que era usado pelos guaranis para diferenciar a poderosa onça de um pulguento qualquer. 

Bônus: existe ainda outra onça, que não tem nenhuma relação com o felino. "Onça" como medida de peso vem do latim uncia, 1/12 de uma libra romana, o que dava 27,4 g. A atual onça usada nos Estados Unidos, a avoirdupois ounce, corresponde a 28,35 g, 1/16 da libra britânica.