Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Trabalho escravo

Argentinos são resgatados de trabalho análogo à escravidão no sul do Brasil

Grupo vivia em uma propriedade rural e realizava corte de eucaliptos para produção de lenha

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 03/04/2023, às 07h40

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Alojamento em que foram encontrados os trabalhadores - Divulgação/Polícia Federal
Alojamento em que foram encontrados os trabalhadores - Divulgação/Polícia Federal

No último sábado, 1, um grupo composto por quatro trabalhadores argentinos, incluindo um adolescente de 14 anos acompanhado do pai, foi resgatado de uma condição de trabalho semelhante à escravidão em Nova Petrópolis, na região da Serra do Rio Grande do Sul.

Eles trabalhavam em uma fazenda cortando eucaliptos para a produção de lenha e foram descobertos após dois homens procurarem ajuda da polícia ao serem abandonados pelos empregadores.

De acordo com informações do portal g1, relatos apontam que os trabalhadores não receberam salário e viviam em condições precárias, sem alojamento adequado, banheiro e água potável.

"Foi uma situação bem ruim porque na verdade eles não tinham alojamento, eles estavam acampados. Era uma barraca de lona, sem água potável, sem banheiro, sem cozinha. Comida eles faziam em uma chapa em cima de umas pedras. Mínimas condições, nada adequado. Ficou completamente caracterizada essa condição degradante do trabalho pelo próprio local onde eles viviam enquanto trabalhavam", destacou o gerente do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da Serra, Vanius Corte.

Ações do Ministério

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da Serra está auxiliando os trabalhadores a receberem seus pagamentos e viabilizando seu retorno à Argentina. O responsável pela contratação e atividades foi preso em flagrante pela Polícia Federal por redução à condição análoga à de escravo.

O urgente agora é resolver a situação dos trabalhadores e fazer eles voltarem para onde vieram. Depois, sim, serão feitos os autos de infração devidos por manter o trabalhador nessa condição", afirma Corte.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!