Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / América Latina

Bebê é baleado e morre nos braços da mãe em barco de imigrantes no Caribe

A morte ocorreu durante a perseguição de uma embarcação da Guarda Costeira ao barco com venezuelanos nas águas de Trinidad e Tobago

Redação Publicado em 08/02/2022, às 09h59

Barco da Guarda Costeira de Trinidad e Tobago - Divulgação/Redes sociais
Barco da Guarda Costeira de Trinidad e Tobago - Divulgação/Redes sociais

Uma perseguição da Guarda Costeira de Trinidad e Tobago a um barco com imigrantes resultou na morte de um bebê venezuelano, que foi baleado e acabou indo a óbito nos braços da mãe. A mulher também foi ferida na ação, mas sobreviveu.

As pessoas a bordo da embarcação estavam fugindo da Venezuela, tentando cruzar a fronteira do país com o país insular a partir de Maruco, na Venezuela, e chegar em Puerto España, em Trinidad e Tobago, no Caribe, que fica a apenas 47,6 km de distância.

Um barco da Guarda Costeira tentou barrar a passagem usando buzina, holofote e sinalizadores, além de tiros de advertência com o objetivo de parar o outro navio, segundo comunicado publicado em suas redes sociais.

Ainda assim, a embarcação teria seguido em frente com "movimentos agressivos", como repercutiu o jornal O Globo. Foi então que o tiroteio começou, a partir do momento em que os tripulantes da Guarda Costeira disseram temer por suas vidas e atiraram contra o motor do barco com os venezuelanos a bordo.

Na nota, as autoridades escrevem que "a embarcação acabou por parar e só então se descobriu que havia imigrantes ilegais a bordo que permaneceram escondidos e, portanto, não foram vistos antes".

Os oficiais afirmaram ainda que identificaram a mãe sangrando, mas que, "lamentavelmente, a criança não respondeu".

Ao saber da morte da criança, o primeiro-ministro de Trinidad e Tobago, Keith Rowley, lamentou a situação. “Expressei minhas mais profundas condolências em meu próprio nome e de todo o povo de Trinidad e Tobago em relação à infeliz perda da vida do bebê”, afirmou.