Notícias » Mesopotâmia

Placas cuneiforme raras são encontradas no Iraque

A descoberta ocorreu na cidade de Tell as-Sadoum, na região onde era a Suméria no terceiro milênio, e descreve cenas mitológicas

André Nogueira Publicado em 05/12/2019, às 10h39 - Atualizado às 10h41

Alguns dos tabletes encontrados
Alguns dos tabletes encontrados - Universita di Pisa

Arqueólogos revelaram durante escavação no Iraque três porções de arquivos de tabletes de argila escritos em cuneiforme, a maioria em bom estado de conservação. Esse é o resultado de um trabalho colaborativo entre as Universidades de Pisa, Siena e Al-Qadisiyyah. Junto ao material escrito, que data do segundo milênio a.C., foram desenterradas cerâmicas e cretulae (blocos de argilas que serviam de lacre para segurar recipientes).

Uma das áreas escavadas / Crédito: Universita di Pisa

 

As descobertas ocorreram no sítio de Tell as-Sadoum, no sul do país, que foi identificada como a cidade suméria de Marad. As escavações ocorreram com foco na região do antigo Templo, uma área residencial e um circuito industrial.

 “Em geral, as tábuas testemunham a riqueza e a animada vida econômica e administrativa da cidade antiga na Mesopotâmia e geralmente falam de transações comerciais e de questões administrativas e judiciais”, explana Anacleto D'Agostino, professor contratado de Arqueologia da Mesopotâmia do Oriente Próximo pela Universidade de Pisa.

Lacre em barro com iconografia / Crédito: Universita di Pisa

 

O sítio possuía estratigrafia de períodos pré-dinásticos até o horizonte neobabilônico. "As tábuas que encontramos, dos períodos de Isin-Larsa e da antiga Babilônia, atualmente em exame, contêm contratos de compra, cartas e fórmulas de datas, além de mencionar nomes de soberanos e referências a algumas cidades", afirmou D’Agostino.

Lacre em barro com iconografia / Crédito: Universita di Pisa

 

Os selos encontrados revelaram iconografias e símbolos que elucidam o nível de complexidade da sociedade deste sítio. Há retratos de heróis lutando com animais selvagens, criaturas mitológicas, figuras de deuses-rei, entre outras figuras. “Dados os excelentes resultados desta campanha e a importância das descobertas, a perspectiva é continuar o projeto até 2020 com uma nova missão no campo.”