Notícias » Afeganistão

Crise no Afeganistão pode fazer com que EUA receba até 60 mil refugiados

Cerca de 22 mil já solicitaram o Visto Especial de Imigrante e mais pessoas deverão chegar por outros meios

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 18/08/2021, às 12h44

Cidadãos em busca de refúgio no Afeganistão
Cidadãos em busca de refúgio no Afeganistão - Getty Images

O domínio do Talibã no Afeganistão está gerando uma crise tão grande que já conta com um êxodo crescente. Como informou a CNN, autoridades americanas acreditam que o país poderá receber cerca de 60 mil refugiados devido à tomada de poder do grupo extremista.

Os milhares de afegãos deverão ser enviados para os Estados Unidos por uma série de meios. Pelo menos 22 mil pessoas já solicitaram o Visto Especial de Imigrante (SIV) e os serviços de imigração, especialmente no Texas, Wisconsin e na Califórnia deverão receber grande parte.

Outras pessoas, que ajudaram militares e diplomatas estadunidenses no Afeganistão, também se encontram em risco agora que o Talibã está no poder. Elas acreditam que podem ser alvo da organização, visto que colaboraram com os ‘inimigos’ do grupo. 

A Segurança Nacional dos Estados Unidos ainda informou que existem cerca de 60 mil afegãos que podem entrar no país como refugiados. Isso aconteceria por meio da qualificação de status de refugiado ou pelo visto SIV.

O ex-presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou que o país deve ajudar rapidamente os afegãos, abrigando-os em seu território. Em um comunicado divulgado na última terça-feira, 17, ele afirmou: 

"O governo dos Estados Unidos tem autoridade legal para reduzir a burocracia para refugiados durante crises humanitárias urgentes. E temos a responsabilidade e os recursos para garantir uma passagem segura para eles sem atrasos burocráticos". 

A declaração está de acordo com a ação tomada pelo atual presidente do país, Joe Biden, que solicitou o uso de cerca de US$ 500 milhões, o que dá R$ 2,6 bilhões, do Fundo de Emergência e Assistência a Refugiados e Migrações para a crise.