Notícias » Brasil

Enfermeira deitou criança em pedaço de lancha após tragédia em Capitólio

Sem espaço para primeiros socorros em barco, o fragmento da embarcação serviu de boia enquanto aguardava resgate

Wallacy Ferrari Publicado em 10/01/2022, às 14h00

Criança (borrada) é atendida após queda de rocha em Capitólio
Criança (borrada) é atendida após queda de rocha em Capitólio - Divulgação / YouTube / TV Globo

O trágico desmoronamento em Capitólio, no sul de Minas Gerais, já têm 10 mortes confirmadas após a queda da rocha atingir algumas das lanchas que se aproximavam do cânion. Contudo, para algumas famílias que visitavam o local, os ferimentos causados pelo episódio foram minimizados pela mobilização dos barcos ao redor.

Foi o caso da enfermeira Jane Freitas, que estava em uma das lanchas e tornou-se responsável por prestar os primeiros socorros em algumas das crianças presentes no local, levando parte através do barco que ocupava e até mesmo em cima de um dos pedaços de uma lancha destruída, usando a estrutura como uma espécie de boia.

A gente colocou algumas vítimas dentro da nossa lancha, não deu para colocar muitas pessoas, porque a capacidade já estava no limite. E aí a gente colocou três crianças e seguiu para o restaurante flutuante para levar essas crianças para ajudar elas", narrou ela.

"E chegando lá a gente já colocou um menino que parecia ter uma fratura na perna, e as colegas que estavam comigo saíram para procurar material para estancar sangramento, imobilizar a perna do garoto”, disse Jane, em entrevista ao Fantástico, na TV Globo.

Nove das dez vítimas fatais da tragédia já foram identificadas pela Polícia Civil do estado. O número de feridos pelo inesperado incidente gira em torno das 32 pessoas, segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.