Notícias » Arqueologia

Estudo reconstrói o cotidiano dos primeiros seres humanos da história

Segundo especialistas, os indivíduos do período Pleistoceno habitavam uma planície vasta, que desapareceu há 11 mil anos

Pamela Malva Publicado em 18/05/2020, às 11h30 - Atualizado às 11h36

Representação da vida dos primeiros seres humanos
Representação da vida dos primeiros seres humanos - Divulgação/Centro Africano de Paleociências Costeiras

Após anos buscando respostas para perguntas misteriosas, cientistas publicaram uma coleção de artigos sobre a vida dos primeiros seres humanos da história. Os documentos foram criados por especialistas de diversas áreas, vindos do mundo todo.

Juntos, os múltiplos textos reconstroem o cotidiano da planície de Paleo-Agulhas, nos vales da África do Sul, território habitado pelos primeiros seres humanos. Coberto por um ecossistema rico e denso, a zona desapareceu há cerca de 11,5 mil anos.

Uma vez dominado por solos férteis, pastagens vastas e bosques e pântanos intensamente populosos, o território foi alagado, graças ao aumento do nível do mar na época. Hoje, a planície fica submersa, abaixo das costas africanas.

Imagem meramente ilustrativa de planície / Crédito: Divulgação/Pixabay

 

A primeira das descobertas arqueológicas foi referente à alimentação dos primeiros seres humanos. Segundo os cientistas, os moradores de Paleo-Agulhas conviviam com hipopótamos, zebras, antílopes e muitas outras espécies terrestres e marinhas. 

Nesse sentido, descobriu-se que as pessoas da época consumiam uma quantidade muito superior de animais terrestres, apesar de viverem em uma área costeira, lotada de moluscos, peixes e mariscos. Dessa forma, foi possível determinar que os primeiros homens e mulheres eram exímeos caçadores.

“Esses períodos glaciais do Pleistoceno teriam apresentado uma paisagem de recursos muito diferente para os primeiros caçadores-coletores”, explicou Janet Franklin, professora do departamento de Botânica e Ciências Vegetais da UC Riverside.

Por esse motivo, de acordo com a cientista, a planície de Paleo-Agulhas pode “ter sido fundamental para moldar a evolução dos primeiros seres humanos modernos".