Notícias » Crimes

Flordelis pede que detetive norte-americano investigue seu caso

Em entrevista à revista The New Yorker, a deputada pediu ajuda, afirmando que a polícia brasileira deseja prendê-la "a todo custo"

Pamela Malva Publicado em 08/06/2021, às 18h00

Fotografia da deputada federal Flordelis
Fotografia da deputada federal Flordelis - Creative Commons/ Wikimedia Commons

Acusada de envolvimento no assassinato de seu marido, a deputada Flordelis agora busca por ajuda internacional para solucionar o caso. Segundo o UOL, foi em entrevista à revista The New Yorker que a mulher pediu que um detetive da televisão dos Estados Undios investigue a morte do pastor Anderson do Carmo, ocorrida em junho de 2019.

"Eles querem me tornar a mandante deste assassinato. É por isso que estou pedindo ajuda fora do Brasil, estou implorando por ajuda", explicou Flordelis, afirmando que a polícia brasileira tem o objetivo de prendê-la “a qualquer custo”.

Dessa forma, durante sua conversa com o repórter Jon Lee Anderson, a deputada mostrou uma foto do apresentador Pat Postiglione, cujo programa faz parte do canal Investigação Discovery. “É este quem eu quero para me ajudar", pontuou Flordelis.

Flordelis ao lado do pastor Anderson / Crédito: Divulgação/ Arquivo Pessoal

 

Apresentando seu próprio seriado no canal do Discovery Channel, o detetive Pat Postiglione investiga diversos casos de homicídios e ainda prende serial killers. Por isso Flordelis estaria interessada em sua ajuda, já que, no Brasil, ela acredita ter sido indiciada "sem qualquer prova, apenas por mensagens no meu celular".

Ainda de acordo com a deputada, seis de seus filhos estão presos porque "sabiam da mensagem do assassinato". "Mas aí eu pergunto: E os outros que também sabiam? Por que eles não estão na prisão?”, questionou Flordelis, na entrevista.

“Claro, eu não gostaria de ver nenhum dos meus filhos na prisão. Mas o Ministério Público alega que prendeu alguns porque eles sabiam e nada fizeram para impedi-lo. Toda a família sabia. Até meu marido sabia”, finalizou a deputada.