Notícias » Arqueologia

Afresco que representa o mito de Narciso é encontrado em Pompeia

Obra é datada dos últimos anos da cidade, destruída pela erupção do Vesúvio em 79 d.C.

Letícia Yazbek Publicado em 15/02/2019, às 15h00 - Atualizado às 16h44

O recém descoberto afresco do mítico caçador Narciso
Parque Arqueológico de Pompeia

Escavações realizadas em uma casa ricamente decorada, localizada em Pompeia, na Itália, revelaram um afresco que representa o mito grego de Narciso. A descoberta foi anunciada ontem, 14 de fevereiro, pelo Parque Arqueológico de Pompeia.

De acordo com a mitologia grega, Narciso, filho do deus do rio, Cefiso, e da ninfa Liríope, era um rapaz muito bonito, adorado por centenas de moças, que desprezava. Para dar uma lição em Narciso, a deusa Nêmesis o condenou a apaixonar-se pelo próprio reflexo em uma lagoa.

O afresco foi encontrado na mesma casa onde, em novembro de 2018, foi descoberta uma pintura erótica que retrata Leda, a rainha de Esparta, com o Deus Júpiter em seu colo, disfarçado de cisne para fugir das tentações. Enfeites florais, cupidos alados e cenas de animais brigando decoram parte das paredes da casa.

Afresco foi encontrado no átrio de uma casa em Pompeia
Parque Arqueológico de Pompeia

De acordo com os pesquisadores, a casa parece ter sido decorada por um conhecedor da arte erótica, provavelmente um comerciante que pretendia elevar seu status social por meio de referências aos mitos da alta cultura.

"A cena do mito de Narciso, bem conhecida e presente em outras partes de Pompeia, é apresentada no átrio da casa. Toda a sala é permeada pelo tema da alegria de viver, da beleza e da vaidade”, afirma Massimo Osanna, diretor-geral do Parque Arqueológico de Pompeia.

No átrio onde o afresco foi descoberto, os arqueólogos identificaram vestígios de escadas que levavam ao andar de cima, que desabou, atingido por pesadas rochas durante a erupção do Vesúvio que destruiu a cidade, em 79 d.C..

Segundo Osanna, “essa decoração, intencionalmente luxuosa, provavelmente é datada dos últimos anos da colônia, como indica o extraordinário estado de conservação das cores".