Notícias » Estados Unidos

Homem é libertado após 26 anos de falsa condenação nos EUA

Larry Smith foi vítima de um testemunho falso para "limpar a barra" dos policiais envolvidos no caso e perdeu o crescimento da filha

Wallacy Ferrari Publicado em 08/02/2021, às 09h57

Larry e filha comemoram saída da prisão
Larry e filha comemoram saída da prisão - Divulgação / CNN

No final do ano de 1994, um garoto de 19 anos chamado Larry Smith foi acusado de assassinarKenneth Heyes, mas desistiu de apresentar a defesa, visto que nenhuma das testemunhas afirmou tê-lo visto na cena do crime.

Mesmo assim, com base na "forma de andar e corpo", foi condenado à prisão perpétua sem possibilidade de solicitar liberdade condicional.

Dessa maneira, a pena perdurou pelos 26 anos seguintes, quando um escritório de advocacia norte-americano decidiu representar gratuitamente o condenado após ter ciência da situação.

Com isso, foi possível apresentar provas de que os relatos da única testemunha ocular do caso foram fabricados a favor dos policiais envolvidos no caso.

A promotoria aceitou a contestação e, sem evidências forenses, ligadas a Larry, a juíza Shannon Walker, do Terceiro Tribunal do Circuito Judicial, ordenou que todas as acusações contra o homem fossem rejeitadas, no dia 4 de fevereiro, como informa o Local 4 News de Detroit. Era o fim de uma era na prisão.

No mesmo dia, Larry foi liberado aos 45 anos de idade, sendo recepcionado por parentes e pela filha Nakira Fantroy, que não pôde acompanhar o crescimento durante a infância e adolescência.

Juntos, promoveram a instituição que ofereceu assistência gratuita, estendendo a camiseta como um ato de vitória.