Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Incêndio

Incêndio em galeria dos EUA pode ter danificado obras de Picasso e Rembrandt

Um incêndio acidental atrás do prédio da galeria de arte de Seattle, nos Estados Unidos, pode ter destruído obras insubstituíveis

Redação Publicado em 16/01/2024, às 18h05

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagem da galeria na madrugada do incêndio - Reprodução/Vídeo/YouTube/Dave Detling
Imagem da galeria na madrugada do incêndio - Reprodução/Vídeo/YouTube/Dave Detling

Na última sexta-feira, 12, um incêndio atingiu uma galeria de arte em Seattle, nos Estados Unidos, destruindo uma série de peças. Entre as obras que podem ter sido perdidas, encontram-se trabalhos insubstituíveis de artistas como Goya, M.C. Escher, Picasso e Rembrandt.

As autoridades suspeitam que alguém tenha provocado um incêndio no beco atrás da galeria com o intuito de se aquecer, o que resultou na propagação das chamas pelo edifício de três andares. O Corpo de Bombeiros da cidade recebeu a primeira chamada de emergência às 6h39 daquele dia. Na ocasião, as temperaturas na região estavam em torno de 6 graus negativos.

O incidente, tido como acidental, não deixou ninguém ferido. Rebecca McDonald, gerente da Davidson Galleries, explicou que a galeria ainda não determinou o destino de suas obras mais famosas. “Esperamos que grande parte do trabalho seja salvo. Estamos fazendo a triagem deles agora”, disse Rebecca.

Conforme repercutido pela CNN Brasil, a Davidson Galleries se especializa em trabalhos como gravuras, litografias e cortes de madeira. Segundo o proprietário Sam Davidson, últimos 50 anos, o acervo do local acumulou cerca de 18 mil peças, sendo a mais antiga do ano de 1490. 

Antes do incêndio, a galeria planejava uma mudança do local de seu inventário, que sairia da Pioneer Square, no centro de Seattle, para um novo endereço a quarteirões de distância. Na preparação para a mudança, muitas obras de arte foram colocadas no chão, o que as tornou mais suscetíveis a possíveis danos causados pela fumaça. 

Me sinto mais triste pelos artistas contemporâneos que confiaram seus trabalhos a nós. Até chegar lá e ver pessoalmente, não senti o impacto total. É muito dramático quando você entra na galeria. Está tão preto lá dentro”, lamentou Davidson

Reconstrução

Em publicação no Facebook, a equipe da galeria atualizou os visitantes sobre o estado das obras de arte: “Estamos atualmente no processo de avaliar a extensão dos danos. No entanto, não foi tão extenso como se pensava inicialmente e temos esperança de que seremos capazes de preservar a grande maioria do nosso inventário”, dizia o post.

Muitas obras do acervo estavam armazenadas em gavetas, enquanto outras estavam sob tapetes de pano e uma folha de mylar, que podem ser responsáveis por minimizar os danos causados pela fumaça, disse McDonald, que também agradeceu os bombeiros que atuaram no chamado. 

Os bombeiros foram maravilhosos. Eles foram muito criteriosos ao usar a água. Quando perceberam que estavam na galeria, protegeram as obras com cuidado, empacotando-as do lado de fora”, explicou a gerente da galeria.

Após o incidente, artistas locais se juntaram aos bombeiros para auxiliar no transporte das obras de arte. “É a parte maravilhosa da comunidade artística que eles se reúnem quando há necessidade”, afirmou Davidson à rede Kiro 7, afiliada da CNN.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!