Notícias » Brasil

João Acaiabe, ator de 'Sítio do Picapau Amarelo' e ‘Chiquititas’, morre aos 76 anos, em decorrência da Covid-19

De acordo com familiares, o artista testou positivo para o vírus em meados de março, antes que pudesse ser imunizado

Penélope Coelho Publicado em 01/04/2021, às 09h48

João Acaiabe em entrevista realizada em 2016
João Acaiabe em entrevista realizada em 2016 - Divulgação/Youtube/Persona

Segundo informações publicadas na manhã desta quinta-feira, 1, pelo portal de notícias G1, o ator João Acaiabe, de 76 anos, faleceu na noite da última quarta-feira, 31, vítima da Covid-19.

O artista ficou conhecido por seus papéis como tio Barnabé no seriado Sítio do Picapau Amarelo (2001 a 2006), na Rede Globo; e ChefeChico no remake da novela Chiquititas (2013 a 2015), no SBT.

De acordo com a reportagem, a família de João informou que o homem foi diagnosticado com o novo coronavírus em 15 de março, data em que a imunização de idosos em sua faixa etária teve início na capital paulista.

Contudo, no dia 21 de março, por complicações da Covid-19, o ator precisou ser internado no Hospital Sancta Maggiori, na Mooca, e não conseguiu ser vacinado.

Segundo revelado por familiares de Acaiabe, na manhã de ontem, 31, ele precisou ser intubado e faleceu após duas paradas cardíacas. De acordo com a reportagem, em 2020, João já havia anunciado em entrevista que estava com problemas de saúde, o artista revelou que sofria com insuficiência renal e estava esperando por um transplante de rim.

O ator — que esteve em novelas como Tenda Dos Milagres (1985) e Segundo Sol (2018) — será sepultado em sua cidade natal, Espírito Santo do Pinhal, interior de São Paulo.

Sobre a Covid-19

De acordo com as últimas informações divulgadas pelos órgãos de saúde, atualmente, o Brasil registra 12.753.258 pessoas infectadas, e as mortes em decorrência da doença já chegam em 321.886 no país.  

Em 1º de dezembro de 2019, o primeiro paciente apresentava sintomas do novo coronavírus em Wuhan, epicentro da doença na China, apontou um estudo publicado na revista científica The Lancet em fevereiro deste ano.  

De lá pra cá, a doença já infectou 129 milhões de pessoas ao redor do mundo, totalizando mais de 2,82 milhões de mortes.