Notícias » Cultura

Livro inédito investiga os Mito do Roubo do Fogo

“A origem da espécie: O roubo do fogo e a noção de humanidade”, de Alberto Mussa, apresenta relatos mitológicos

Victória Gearini | @victoriagearini Publicado em 16/07/2021, às 12h44

Imagem meramente ilustrativa de fogo
Imagem meramente ilustrativa de fogo - Imagem de David Mark por Pixabay

Lançada pela Editora Record, a obra “A origem da espécie: O roubo do fogo e a noção de humanidade”, do romancista Alberto Mussa investiga relatos mitológicos de diferentes povos ao redor do mundo. 

[Colocar ALT]
A origem da espécie: O roubo do fogo e a noção de humanidade (2021) / Crédito: Divulgação / Record

Neste ensaio literário, o autor reconstitui o Mito do Roubo do Fogo, apresentando uma análise sobre a questão da origem da linguagem.

“O roubo do fogo (creio eu) é uma das três ou quatro histórias mais antigas que ainda se contam sobre a face da Terra. É ainda o mais antigo programa ideológico que se conhece, e que termina por estabelecer o próprio conceito de humanidade. Mas é também o mito que se expõe, ou pressupõe, a vocação etnocêntrica da espécie humana — decorrente, em grande parte, da própria capacidade que dispomos de falar, de empregar uma linguagem articulada”, disse o escritor. 

Por meio de uma linguagem simples e envolvente, Alberto Mussa apresenta sua visão sobre o roubo do fogo, na mesma medida que argumenta sobre a compreensão da verdadeira noção de humanidade ou, melhor dizendo, da sociedade.

Para compor o livro, o autor analisou mais de 300 relatos para desvendar os mistérios por trás desse mito, que trata-se de um programa ideológico e de código de valores fundamentais, que inclui o tabu do incesto, o poder “xamânico” e caça como expressão da inteligência.

Para quem gostou do tema, a obra “A origem da espécie: O roubo do fogo e a noção de humanidade” encontra-se disponível na Amazon, em formato Kindle e capa comum. 

Confira abaixo um trecho do livro: 

Em sua Relação da província do Brasil, de 1610, escreve o jesuíta Jácome Monteiro sobre os tupinambás da costa da Bahia: “têm clara notícia do dilúvio e praticam entre si como o mundo se alagara com a perda de todos os homens, exceto um irmão e uma irmã…”

Não tratarei dos mitos do dilúvio; e, por isso, interrompo a história que ele conta para dela aproveitar um pormenor: ao dizer que os tupinambás "têm clara notícia do dilúvio”, o jesuíta faz, à sua maneira, um breve exercício de mitologia comparada — tomando a versão bíblica, a da célebre Arca de Noé, como verdadeiro, ou original; e a variante brasílica como falsa, ou deturpada, ainda que baseada num “fato” constante do texto sagrado, do qual devem ter tido, os indícios, algum conhecimento. 


+Saiba mais sobre Alberto Mussa por meio de obras disponíveis na Amazon: 

A origem da espécie: O roubo do fogo e a noção de humanidade, de Alberto Mussa (2021) - https://amzn.to/3idQJTg

A primeira história do mundo, de Alberto Mussa (2014) - https://amzn.to/3koCuh6

O trono da rainha Jinga, de Alberto Mussa (2011) - https://amzn.to/36F1BUU

O enigma de Qaf, de Alberto Mussa (2011) - https://amzn.to/3hKc6w8

O senhor do lado esquerdo, de Alberto Mussa (2011) - https://amzn.to/3BaoU6Y

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W