Notícias » Entretenimento

Nova série "Sou moderno, sou índio" trará foco para a contemporaneidade indígena brasileira

A série, que foi produzida pela Lente Viva Filmes e está em cartaz no canal CINeBRASiL TV, foi realizada com equipe formada por indígenas

Redação Publicado em 08/12/2021, às 17h56

Fotografia contemporânea de indígenas
Fotografia contemporânea de indígenas - Divulgação/ Instagram/ @indio.moderno

Depois de receber o Prêmio Especial do Júri da Categoria Jallalla no 16º Festival Arica Nativa, Chile, 2021, 'Sou Moderno, Sou Índio', série contemporânea que coloca a identidade indígena em foco e sua autenticidade em discussão, chega, com seus 13 episódios de 26 minutos, ao canal CINeBRASiL TV.

A série produzida por Thiago Tambelli/ Lente Viva Filmes, com direção deCarlos Eduardo Magalhães, mostra o aproveitamento e a ressignificação dos povos originários brasileiros através da aproximação da comunicação e com uma linguagem moderna, incluindo e explicando, ao longo de cada episódio, os diversos temas apresentados pelos personagens a partir do seu cotidiano nas aldeias ou nas cidades.

A sociedade ocidental guarda uma visão estereotipada sobre os povos originários. A imagem pré-concebida e vigente nas rodas sociais e na maioria dos meios de comunicação é aquela que diz que para ser realmente índio é preciso andar nu, falar ‘mim’ no lugar de ‘eu’, ser ingênuo e não ter acesso à tecnologia. 

Qualquer indígena saindo desse padrão é identificado como um índio que perdeu suas raízes. Mas ser índio não é uma questão de cocar de pena, urucum e arco e flecha, algo aparente e evidente, mas sim uma questão de "estado de espírito".

A série 'Sou moderno, Sou Índio' propõe um contraponto a esse imaginário vigente. Longe das figuras míticas de selvagem, preguiçoso, indolente e desinteressado, os personagens que constroem o tecido dramatúrgico da série são altamente ligados à tecnologia e participantes ativos do cotidiano urbano das mais diferentes maneiras, ao mesmo tempo em que também são intimamente ligados a seus povos e sua cultura. 

Mesmo estando “plugados à rede”, filmando, escrevendo em português, cantando um rap ou ainda vivendo numa cidade grande e se utilizando de tecnologia de ponta, essas pessoas não perderam sua identidade.

O indígena autêntico deste século busca sua ancestralidade ou os míticos que habitam as aldeias, sabe preservar o meio ambiente, é sábio e poderoso em suas crenças e, ao mesmo tempo, se relaciona com o que o mundo ocidental oferece de uma forma a ampliar ainda mais sua cultura e seus saberes. A série foca justamente no indígena da atualidade e dá voz a ele em toda a sua dimensão. Não há nada mais moderno no mundo contemporâneo do que ser indígena.

'Sou Moderno, Sou Índio' não só dá voz a diversos povos do Brasil — Guarani, Huni Kui, Ashaninka, Xucuru, Tukano, Guarani Kaiowá, Tupinambá, Baniwa, Wapixana, Guajajara, Yawanawá, Boe Bororo, Tikuna e Kokama —, como toda a equipe, desde a direção de fotografia, direção de arte, som direto, roteirista até a trilha sonora, é composta por profissionais indígenas. O Brasil e toda sua diversidade indígena em uma série inovadora. 

No ar pelo canal CINeBRASiL TV — cuja programação traz documentários autorais investigativos e séries ficcionais inéditas, que refletem comportamentos, conflitos e relações humanas —, desde o início de dezembro, com um novo episódio a cada domingo, às 22h, e reprises durante a semana. A partir de janeiro de 2022, novos episódios.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Sou Moderno Sou Índio (@indio.moderno)