Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Jair Bolsonaro

O que disse Jair Bolsonaro sobre as polêmicas no MEC?

Jair Bolsonaro é o primeiro entrevistado da sabatina do Jornal Nacional, da TV Globo

Redação Publicado em 22/08/2022, às 22h14

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Jair Bolsonaro durante entrevista ao Jornal Nacional - Reprodução/Vídeo
Jair Bolsonaro durante entrevista ao Jornal Nacional - Reprodução/Vídeo

O presidente Jair Bolsonaro foi o primeiro entrevistado das sabatinas do Jornal Nacional, da TV Globo. Nesta segunda-feira, 22, o mandatário ficou frente a frente com William Bonner e Renata Vasconcellos, âncoras do programa. 

Durante a conversa, Bolsonaro fora questionado sobre ataques aos ministros do STF e as urnas eletrônicas, além de ter sido questionado sobre sua gestão em meio à crise sanitária provocada pela covid-19 e promessas feitas para melhorar a economia.

Em outro momento, o presidente, que agora busca a reeleição, fora abordado a respeito das escolhas tomadas para escolher o ministro da Educação em seu mandato. Afinal, os últimos anos registraram demissões em série no setor, além de uma atual suspeita de corrupção.

Inicialmente, a pasta política fora assumida pelo colombiano Ricardo Vélez, em seguida Abraham Weintraub e depois Milton Ribeiro, este demitido após a polêmica envolvendo tráfico de influência de pastores. Estes tentavam propina de prefeitos visando a verba no ministério. 

Bolsonaro, todavia, disse que, naquele momento, não existia nada contra Milton

“Ele teve uma acusação, foi preso, mas conseguiu habeas corpus logo em seguida. Não tinha nada contra ele até aquele momento”, disse o presidente. “Nós começamos a investigar o caso dos pastores, na CGU”.

'Pessoas se revelam'

Ao falar sobre os critérios adotados para escolher ministros da educação, o presidente do Brasil também disse que as pessoas 'se revelam' quando chegam, e comparou a relação com ministros com um casamento.

“As pessoas se revelam quando chegam”, disse Bolsonaro. “Acontece, é igual um casamento. O ideal era não ter rotatividade nenhuma, mas acontece”, afirmou ele. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!