Notícias » Bélgica

Príncipe Lourenço da Bélgica defende Rei Leopoldo II das atrocidades cometidas no Congo

Segundo o belga, o monarca nunca teria ido ao território congolês, por isso, não teria como ter cometido genocídio

Penélope Coelho Publicado em 12/06/2020, às 12h00

Estátua vandalizada de Leopoldo II
Estátua vandalizada de Leopoldo II - Divulgação

Em entrevista para o jornal Sudpresse, da Bélgica, o Príncipe Lourenço deu uma declaração polêmica ao argumentar à favor do Rei Leopoldo II, conhecido por ter causado a morte de mais de 10 milhões de africanos, na República Democrática do Congo — quando foi soberano do local, no final do século 19 e início do século 20.

O membro da família real belga e descendente do antigo rei defendeu Leopoldo II dizendo que o homem nunca esteve fisicamente presente no local “Ele nunca foi ao Congo, não vejo como é que poderia ter feito as pessoas de lá sofrer”, afirmou Lourenço.

“Basta ver o que o rei Leopoldo II fez pela Bélgica e vai entender. Devíamos ter em conta que houve muitas pessoas que trabalharam para Leopoldo II e, verdadeiramente, abusaram. Mas não é por isso que Leopoldo II abusou”, finalizou o príncipe.

Estátua de Leopoldo II sendo removida / Crédito: Divulgação 

 

Manifestações 

As estátuas do Rei Leopoldo têm sido alvo de protestos na Bélgica — para que sejam removidas. Um dos monumentos do monarca com mais de 150 anos, foi retirado da cidade belga de Antuérpia.

Isso aconteceu devido aos protestos antirracistas que estão tomando conta das ruas nas últimas semanas ao redor do mundo. As estátuas do rei que ainda estão nas praças do país continuam sendo alvo de manifestações e vandalizações.