Matérias » Família Real

O escândalo sexual do príncipe Andrew, filho de Elizabeth II

Afastado das funções reais, Andrew teve seu nome relatado no horripilante caso Epstein — que envolveu a exploração de menores de idade

Penélope Coelho Publicado em 09/06/2020, às 16h30

Fotografia de Andrew Albert
Fotografia de Andrew Albert - Getty Images

Andrew Albert Christian Edward é o terceiro dos quatro filhos da Rainha Elizabeth II com o príncipe Philip. Nascido em 19 de fevereiro de 1960, o nobre manteve por muito tempo a fama de ser o pupilo favorito de sua mãe.  

O duque de York fez carreira militar, dedicando-se a Marinha Real, além de ter sido piloto de helicóptero por mais de 20 anos. Quando jovem, era conhecido por sua boa aparência, sendo um dos solteiros mais cobiçados do Reino Unido.

Andrew criança no colo de sua mãe, a Rainha Elizabeth II / Crédito: Divulgação

 

Quando Andrew se casou com Sarah Ferguson, em 1986, os tabloides acharam que o príncipe finalmente iria sossegar, mas, na verdade seu casamento acabou causando polêmicas que abalaram a corte, com traições e principalmente a separação do casal.

O pai de duas meninas já estava manchado na família real, quando uma polêmica ainda maior surgiu envolvendo seu nome num enorme escândalo sexual. Tal acusação causou tanta revolta e confusão, que o Duque de York optou por se afastar de suas funções reais, em 2019.

Mas, afinal de contas, o que teria acontecido?

Amizade com Epstein

Rumores de que o príncipe teria uma relação próxima como Jeffrey Epstein, bilionário americano condenado por uma série de abusos sexuais, começaram a repercutir na mídia. Os dois se conheciam desde 1999. Quando o caso do norte-americano explodiu, a relação entre Epstein e o príncipe já tinha alguns longos anos.

No inverno rigoroso de dezembro do ano de 2010, Andrew foi fotografado ao lado de Epstein andando pelo Central Park, provavelmente aquele foi um encontro marcado para que a amizade dos dois terminasse. Após isso, seus assessores fizeram de tudo para limpar a imagem do nobre, que optou se afastar de vez do antigo amigo. Mas, as coisas ainda iriam piorar para Andrew.

Apesar de afirmar em entrevista para a BBC que nunca teria notado nenhuma atitude suspeita de Jeffrey, o integrante da família real recebeu uma grave acusação de agressão sexual.

Horrores na ilha

As denúncias partiram de Virginia Giuffre, uma das dezenas de mulheres que revelaram  os abusos sexuais perversos de Epstein — que acabou se suicidando na cadeia, onde esperava sua condenação nos EUA. Virginia afirma que foi obrigada a manter relações sexuais com o príncipe. Durante o insólito episódio, ela ainda era menor de idade, com somente 17 anos.

Giuffre disse foi levada para Londres por Epstein, em 2001 e naquela circunstância manteve relações sexuais três vezes com a alteza real. Em entrevistas, a vítima diz se lembrar muito bem daquela noite, afirmando que o Duque de York era um péssimo dançarino e que transpirava muito.

Fotografia do príncipe ao lado de Virginia Giuffre / Crédito: Divulgação 

 

Andrew nega categoricamente o fato e afirma não se lembrar da garota, mesmo que algumas fotos provem que os dois realmente se conheceram. Além disso, o nobre ainda afirmou sofrer de uma condição que o impede de suar.

Repercussão

As acusações de pedofilia e sua presença em festas promovidas por Epstein em ocasiões que foram denunciadas posteriormente, fizeram com que a fama do príncipe, antes conhecido como um galã, nunca mais fosse a mesma. 

O membro da família real passou a ser criticado por seus súditos e como tentativa de se reparar com a população do Reino Unido, veio à público em rede nacional negando todas as acusações. A entrevista na rede BBC foi considerada desastrosa, desencadeando mais críticas.

Percebendo que seus esforços não adiantaram, o nome de Andrew estava cada vez mais sujo na realeza. Como consequência, o príncipe tomou uma decisão raramente vista quando o assunto é a monarquia britânica: se afastou categoricamente de todos os seus compromissos reais.

Atualmente, seus esforços para ajudar nas investigações do caso Epstein são considerados forçados. Hoje, o filho de Elizabeth II tenta viver longe das câmeras, evitando que seu nome apareça na mídia.

Mesmo depois da conturbada relação com Sarah Ferguson ter chegado ao fim, os dois continuam amigos e a ex-mulher vem demonstrando apoio ao príncipe nesse momento. 


+Saiba mais sobre a família real britânica por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7