Notícias Idade Média

Sífilis teve seu epicentro em um mosteiro inglês, afirmam arqueólogos

Estudo defende que, ao contrário do que se acreditava, a doença venérea letal não veio da América

terça 28 agosto, 2018
Um dos esqueletos encontrados no local de escavação
Um dos esqueletos encontrados no local de escavação Foto:Reprodução

A sífilis, doença venérea que pode levar a deformidades faciais, degeneração cerebral e morte, já foi chamada de "vingança dos índios". Muitos historiadores defendiam que ela fora introduzida na Europa a partir das Américas, pela tripulação de Colombo, já que a primeira epidemia na Europa aconteceu em 1495 e evidências amplamente aceitas em esqueletos na América mostram que estava aqui antes de Colombo. A "vingança" seria pelas doenças levadas pelos europeus, como gripe e varíola, que varreram mais de 90% da população nas áreas mais afetadas. Uma vingança desproporcionalmente fraca. 

Segundo reporta o Hull Daily Mail, uma escavação realizada em um monastério do século 13 na cidade de Hull, Inglaterra, pode enterrar essa hipótese. Ela revelou que a sífilis já estava na Europa mais de 100 anos antes.

Notícias Relacionadas

Em 1994, arqueólogos descobriram no local os esqueletos de 245 pessoas, além de fundações de pedra, ferramentas, objetos de cerâmica e ossos de animais. Esses esqueletos pertenciam aos antigos moradores do convento e à outras pessoas que viviam no local.

A área de escavações em 1994 Reprodução / Hull Live

Cerca de 60% apresentavam alterações nos ossos da perna, característica da doença. Três esqueletos também tinham lesões em outras partes do corpo. Um dos esqueletos, que pertenceu a um homem, apresentava lesões no crânio. Ele teria vivido entre os anos 1300 e 1420, e morrido quando tinha de 25 a 35 anos.

Após os corpos serem enterrados na paroquia de São Carlos Borromeo Reprodução/Hull Live

Obviamente, monges sifilíticos abrem a possibilidade para uma interpretação escandalosa. Talvez tenha sido o que aconteceu, mas não necessariamente. Sabe-se que no porto situado próximo ao rio Hull, os monges tinham contato com doentes e pessoas mais pobres - e marinheiros também. O trabalho de médico cabia aos monges, e eles tinham contato próximo com doentes. O porto, assim, pode ter servido tanto de porta de entrada quanto saída. 

E aí entra outra descoberta: nos caixões dos monges havia varinhas feitas com ramos de avelã. A interpretação dos arqueólogos é que fossem instrumentos de autoflagelação, prática muito comum então. Assim, os monges podem ter sido contaminados por suas feridas abertas e passado adiante a doença através de copos que ofereciam aos doentes, ou contato com suas feridas.

É importante notar que esta é uma teoria controversa e que a conclusão depende da análise por mais acadêmicos. Arqueólogos já afirmaram ter achado evidências de sífilis até em Pompeia. Essas pesquisas foram duramente criticadas por cientistas especializados. 

Letícia Yazbek e Thiago Lincolins


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais