Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Aviação

A última teoria sobre a queda na vertical de um avião na China

Supostamente embicado propositalmente, o incidente resultou na morte de 132 pessoas em março

Wallacy Ferrari Publicado em 19/05/2022, às 10h09

Frames de queda de aeronave - Divulgação / YouTube / The Telegraph
Frames de queda de aeronave - Divulgação / YouTube / The Telegraph

Em março deste ano, registros feitos por câmeras de segurança mostraram o trágico fim do Boeing 737-800 que realizava um voo pela empresa aérea China Eastern. O jato de grande porte realizava um voo comercial em alta altitude, mas desapareceu dos radares chineses, revelando na gravação uma queda abrupta em posição vertical, embicando contra o solo.

A surpreendente cena não apenas resultou em uma investigação meticulosa, como paralisou, por algumas semanas, os voos de outros Boeings do mesmo modelo dentro do território chinês.

O pânico veio de encontro com uma constatação recente, revelada por uma fonte presente na investigação da queda ao jornal norte-americano The Wall Street Journal.

A fonte apontou ao veículo estadunidense que dados de uma caixa preta recuperada no solo onde os destroços foram espalhados apontam, em análise inicial, que a queda teria sido intencionalmente causada por uma das pessoas que conduziam a aeronave, acarretando dúvidas sobre a motivação e como tal fato teria sido alcançado.

Explicação técnica

A caixa preta costuma ser usada como uma espécie de cartão de memória de uma aeronave, que armazena tanto dados de áudio provenientes do som dos headphones dos pilotos em contato com outras aeronaves e torres de controle, quanto registra os comandos feitos no computador de bordo.

Feita de materiais resistentes, costuma se preservar mesmo com colisões violentas, justamente para coletar informações em investigações. No caso desta, a sequência de comandos registra a entrada de dados que resultaram no mergulho abrupto da queda, inicialmente em espiral e que, ao término da descida, causou o choque do avião contra montanhas.

A investigação, no entanto, não avalia apenas a hipótese de ter sido uma ação suicida de pilotos, mas cogitam a possibilidade de algum passageiro ou tripulante ter invadido a cabine e derrubado o avião deliberadamente, resultando em 132 mortes, como reporta o portal G1.

Sem precipitação

Lito Sousa, ex-mecânico de aeronaves e conhecido pelo canal Aviões e Músicas, comentou o caso em live extraordinária durante a última quarta-feira, 18, após analisar os dados recentes divulgados sobre o incidente, deixando claro que, mesmo se confirmado que o ato foi intencional, as buscas sobre o ato estarão longe de serem terminadas.

No vídeo, ele explicou que, apesar das constatações que direcionam a investigação em decorrência da descoberta na caixa-preta, não devem ser feitas conclusões precipitadas antes do encerramento da investigação, que pode mudar a qualquer momento com a divulgação do laudo oficial.

Qualquer especulação pode interferir na investigação do acidente e, consequentemente, no progresso real do que a indústria aérea busca quando a indústria aérea busca quando ocorre um acidente — ainda que tenha sido de maneira intencional, que seria suicídio", enalteceu Lito.