Matérias » Ditadura Militar

Apolônio de Carvalho, o militante comunista de três pátrias

Lutando na Intentona Comunista, na Guerra Civil Espanhola e na resistência contra o nazismo, Apolônio foi um dos maiores nomes do movimento internacionalista

Isabela Barreiros Publicado em 17/11/2019, às 08h00

Apolônio de Carvalho, militante comunista brasileiro
Apolônio de Carvalho, militante comunista brasileiro - Wikimedia Commons

Filho de um soldado sergipano e uma mãe gaúcha, Apolônio de Carvalho foi um militante comunista brasileiro que participou de inúmeras lutas ao redor do mundo. "Em fins de 1933, eu já era oficial, e achava que era necessário mudar a sociedade brasileira", disse em entrevista à revista Teoria e Debate, no ano de 1989.

Ele também serviu ao Exército brasileiro, sendo, aos 23 anos, já oficial de Artilharia a Cavalo, em Bagé, no Rio Grande do Sul. Em 1935, a Intentona Comunista, que tinha como principal líder, Luís Carlos Prestes, capitão do Exército Brasileiro, começava a ser arquitetada. Apolônio começou, então, a se engajar na organização comunista Aliança Nacional Libertadora (ANL), e por isso, em 1936, foi destituído e expulso do Exército.

Saindo da prisão, um ano depois, ingressou no Partido Comunista Brasileiro. Mas não permanece por muito tempo em território nacional: ele é chamado para participar, com outros 20 brasileiros, das Brigadas Internacionais, ao lado da República durante a Guerra Civil Espanhola, contra o ditador fascista Francisco Franco.

Com o fim do conflito em 1939, Apolônio juntou-se à Resistência Francesa para lutar, durante a Segunda Guerra Mundial, contra o Eixo e, principalmente, contra o nazismo de Hitler.

[Colocar ALT]
Crédito: Centro de Memória Sindical

Retorna ao Brasil já no período em que a ditadura militar foi instaurada no país, vivendo clandestinamente e atuando, ainda que perseguido, pelo PCB em inúmeras regiões do país. Durante o regime, participando da resistência, foi preso e torturado em 1969. Um ano depois, guerrilheiros sequestraram o embaixador alemão no Brasil e pediram em troca a libertação de 39 presos, estando Apolônio entre eles.

Depois disso, foi exilado na Argélia e depois na França, voltando para seu país natal apenas com a anistia, em 1979. Em 1980, participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT) e foi o afiliado número um da organização política. No entanto, posteriormente, teria discordâncias com o governo executado pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, por isso, quando morreu em 2005 sua família não permitiu que colocassem uma bandeira do partido em seu caixão.

Sua trajetória inspirou o livro de Jorge Amado “Subterrâneos da liberdade”. Na obra, Apolinário participou dos três movimentos revolucionários que Apolônio esteve presente — a Intentona Comunista, Guerra Civil espanhola e a Resistência Francesa. O militante internacionalista foi chamado de “um herói de três pátrias”, pelo escritor baiano, demonstrando admiração pela luta e vida do militante internacionalista.


Saiba mais sobre as torturas e assassinatos cometidos durante o período da ditadura militar no Brasil por meio dos livros a seguir:

A Casa da Vovó: Uma biografia do DOI-Codi (1969-1991), o centro de sequestro, tortura e morte da ditadura militar, Marcelo Godoy (2015) - https://amzn.to/36RcrWL

Tortura e sintoma social, Maria Rita Kehl (2019) - https://amzn.to/2CpAFci

Dossiê Herzog: Prisão, tortura e morte no Brasil, Fernando Pacheco Jordão (2015) - https://amzn.to/2CwH5GB

Setenta, Henrique Schneider (2017) - https://amzn.to/36OM1EI

A ditadura envergonhada (Coleção Ditadura Livro 1), Elio Gaspari (2014) - https://amzn.to/2Q2xaAK

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.