Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Brasil

Feita de ouro e com 27 diamantes: a pena usada pela princesa Isabel para assinar a abolição

Adquirida pelo Museu Imperial de Petrópolis em 2006, a pena é uma das peças mais importantes do acervo

Redação Publicado em 17/07/2022, às 15h00

Princesa Isabel em fotografia - Wikimedia Commons / Joaquim Insley Pacheco
Princesa Isabel em fotografia - Wikimedia Commons / Joaquim Insley Pacheco

Uma pena feita de ouro a qual se encontra hoje no Museu Imperial de Petrópolis é uma peça importante que ajuda a contar um dos mais notórios episódios da história brasileira: a abolição da escravatura. Afinal, foi com ela que a princesa Isabel, então regente do Brasil, assinou a Lei Áurea.

Adornado com 27 diamantes e 25 pedras vermelhas, o objeto que foi fabricado especialmente para a filha deD. Pedro II, pesa apenas 13 gramas, conforme informações do portal G1.

Peça foi comprada

De acordo com a fonte, a pena foi adquirida pela instituição no ano 2006 e custou, na época, R$ 500 mil ao Ministério da Cultura. Segundo o Museu, ela foi comprada de Dom Pedro Carlos de Orleans e Bragança, um dos bisnetos da princesa.

Hoje, além de poder ser vista pelo público durante visitações, a peça histórica também faz parte do acervo digitalizado disponível na internet.

Pena de Ouro usada por Isabel / Crédito: Divulgação / Museu Imperial

Para o historiador Joaquim Eloy a pena usada por Isabel é um dos bens mais preciosos do acervo entre aqueles que datam do período do Segundo Reinado.

Ele também destacou, em entrevista ao portal de notícias, o fato da princesa e seu pai estarem sepultados na Catedral São Pedro de Alcântara, localizada na mesma cidade.

Fim da escravidão legal

Apesar de sua importância, a assinatura da Lei Áurea, conforme aponta Eloy, significou o fim da escravidão apenas do ponto de vista legal, uma vez que não houve qualquer tentativa de inserção dos libertos na sociedade.

O imperador D. Pedro II / Crédito: Domínio público / Delfim da Câmara

A medida, que já era esperada pelo povo brasileiro e que irreversível do ponto de vista político na época, foi realizada por Isabel porque seu pai, o imperador, se encontrava em meio a uma viagem na Europa.

"Ela cumpriu uma obrigação e chegou a libertar os escravos da Casa Imperial, mas eles não foram incluídos na sociedade, não houve essa integração porque o Brasil não estava preparado para isso", disse o historiador, que aponta que o 13 de maio deve ser uma data para refletir acerca do que já foi alcançado e o que ainda precisa ser conquistado em nossa sociedade.

"Até hoje não houve uma integração total de negros, indígenas... É sobre isso que precisamos refletir hoje e sempre", defende Joaquim Eloy.


+Saiba mais sobre a família imperial por meio de obras disponíveis na Amazon:

Pedro II, de José Murilo de Carvalho (2007) - https://amzn.to/2pP3Ym4

Coleção Princesa Isabel. Fotografia do Século XIX, 2013, Bia Correa do Lago, Pedro Correa do Lago - https://amzn.to/2ObwkPw

O Castelo de Papel: Uma história de Isabel de Bragança, princesa imperial do Brasil, e Gastão de Orléans, conde d’Eu, Mary del Priore,2013 - https://amzn.to/2Kh2Uyi

O reino que não era deste mundo: Crônica de uma República Não Proclamada, Marcos Costa, 2015 - https://amzn.to/2O4Hfuo

As Barbas do Imperador, de Liliam Schwarcz (1998) - https://amzn.to/2NpJAB3

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W