Matérias » Curiosidades

Sem anticoncepcional: Quais eram os métodos contraceptivos na antiguidade?

Para evitar a gravidez, pesquisadores relatam históricos de poções com metais pesados, cocô no órgão reprodutor e até amuletos

Letícia Yazbek, atualizado por Wallacy Ferrari Publicado em 18/05/2021, às 13h00

Imagem ilustrativa de mulher segurando cartela de anticoncepcionais
Imagem ilustrativa de mulher segurando cartela de anticoncepcionais - Getty Images

Presente de maneira livre e massiva em farmácias e drogarias pelo mundo, os anticoncepcionais seguem um ciclo óbvio de interrupção: a natalidade. Com o intuito de controlar a chegada de filhos, a invenção de métodos contraceptivos de fácil manejo e aquisição, no entanto, são relativamente recentes na civilização.

O que não quer dizer que não se tenha ido bem além do coito interrompido — o pecado de Onã, pelo qual foi castigado com a morte pelo próprio Deus — para evitar o aumento da prole antes da chegada da primeira pílula, em 18 de agosto de 1960, nos Estados Unidos.

O desconhecimento de como a gravidez de fato acontecia fez com que teorias supersticiosas povoassem o imaginário e fossem passadas de geração a geração. Na obra 'Tales of Contraception' ('Histórias da Contracepção', em tradução livre), o pesquisador Percy Skuy conta que, por volta de 2.000 a.C., as chinesas eram encorajadas a beber óleo com chumbo ou mercúrio para evitar filhos ou provocar o aborto. Funcionava: quem não ficava estéril, morria.

Progresso científico

A relação entre o sêmen e a gravidez já estava clara para os antigos egípcios; por volta de 1500 a.C., eles desenvolveram contraceptivos de barreira – que impedem a entrada do esperma no útero.

Em um deles, as mulheres inseriam na vagina uma mistura quase sólida, feita de mel, carbonato de sódio e fezes de crocodilo. Pesquisas recentes indicaram que a teoria fazia sentido, visto que o cocô do réptil aumenta o pH vaginal, contribuindo para a ação contraceptiva.

Outra técnica egípcia da época era colocar na vagina um pedaço de algodão embebido numa pasta de acácia. Enquanto o algodão servia de tampão, a planta se transformava em ácido lático, com propriedades espermicidas comprovadas.

Mil e cem anos depois, Hipócrates recomendava sementes de cenouras selvagens como uma pílula do dia seguinte — capazes, hoje se sabe, de impedir a síntese de progesterona.

Contudo, a ajuda da natureza não freou as ideias exóticas.No ano 200, também na Grécia, o médico Soranus dizia às mulheres que prendessem a respiração durante o sexo para evitar que o esperma chegasse ao útero.

Controle eficaz

Na Europa, durante a Idade Média, as mulheres eram aconselhadas a “amarrar os testículos de um roedor nas coxas antes da relação, ou pendurar o pé amputado do animal ao redor do pescoço”, como reconta a bióloga Janet Lieberman, autora de 'A Short History of Birth Control' (“Uma Breve História do Controle de Natalidade”, em tradução livre).

Um tipo de amuleto, entre tantos outros testados com o mesmo fim, como grinaldas de ervas, fígado de gato e fragmentos de ossos de gatos. Também se achava que a gravidez seria evitada se a mulher urinasse no exato local em que uma loba gestante tivesse feito o mesmo.

No século 18, vieram preservativos feitos de tripas de animais. E já era 1870 quando Charles Goodyear inventou a técnica da vulcanização da borracha. Surgiam os primeiros preservativos parecidos com os atuais.

Mas só a chegada do dispositivo de contracepção intrauterino (DIU), em 1920, e da pílula anticoncepcional, em 1960, aposentou de vez os amuletos e métodos antigos. Hoje, estima-se que mais de 60% das mulheres com mais de 30 anos de idade recorram à pílula, como registrou a revista Galileu.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

30 histórias insólitas que fizeram a medicina, de Jean-Noël Fabiani (2019) - https://amzn.to/3cUfh0d

Medicina Dos Horrores: A História De Joseph Lister, O Homem Que Revolucionou O Apavorante Mundo Das Cirurgias Do Século XIX, de Lindsey Fitzharris (2019) - https://amzn.to/2uEVDDw

Cambridge - História da Medicina, de Roy Porter (2008) - https://amzn.to/38ZeyHN

Doenças que mudaram a história, de Guido Carlos Levi (2018) - https://amzn.to/33woA1R

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W