Matérias Ciência

Como fazíamos sem raio X?

Neste dia, em 1895, Wilhelm Röntgen descobria o raio-X. Até então, as soluções eram precárias. Ou brutais

quarta 7 novembro, 2018
A descoberta deu o pontapé inicial para o nascimento da radiologia diagnóstica
A descoberta deu o pontapé inicial para o nascimento da radiologia diagnóstica Foto:Getty Images

Antes de se descobrir a utilidade dos raios-X, só havia dois jeitos de saber o que estava acontecendo dentro do corpo humano machucado ou doente. A primeira alternativa era usar o tato. Ao apalpar as áreas nas quais os pacientes sentiam dores, os médicos tentavam diagnosticar o problema. “Identificava-se o câncer quando o médico tocava o paciente e percebia alguma anomalia. Do contrário, a pessoa morreria sem saber o motivo”, diz Luana Nascimento, doutora em Física Médica pela Universidade Umeå, na Suécia. A outra opção, muito usada em caso de fraturas e contusões, era o bisturi. Com o paciente aberto, muitas vezes sem anestesia, ficava fácil visualizar o estrago.

A situação só começou a mudar em 8 de novembro de 1895, quando o físico alemão Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) encontrou um novo tipo de radiação ao perceber que os feixes de luz, resultados do choque entre elétrons desacelerados e matérias de grande número atômico, deixavam marcas em filmes fotográficos.

Notícias Relacionadas

“Outros cientistas da época, especialmente os que trabalhavam com tubos de raios catódicos, já haviam observado os efeitos dos raios-X, mas sem perceber que aquele era um novo fenômeno”, afirma Luana. Ao tirar uma chapa da mão esquerda de sua própria esposa, Anna Bertha, Röntgen deu o pontapé inicial para o nascimento da radiologia diagnóstica, já que os raios permitem ver tecidos e estruturas do organismo e ainda ajudam a detectar uma vasta gama de problemas ósseos e tumores.

Tamanho foi o sucesso da descoberta que o cientista recebeu o primeiro prêmio Nobel de Física da História, em 1901. Rapidamente, os bombardeios de radiação ionizante foram usados em shows públicos, que espantavam a platéia com a apresentação inédita de imagens de esqueletos humanos. Hoje, não há clínica ou laboratório que não use aparelhos de raios-X e suas versões mais modernas, como os de tomografia computadorizada.

Roniel Felipe e Mariana Teixeira Rodrigues


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais