Matérias » Personagem

"Fruto de uma garrafa de uísque": A distante relação de John Lennon com o filho Jules

Fruto do primeiro casamento do astro, Jules Lennon revelou que já era tarde demais quando se reaproximou do pai

Caio Tortamano Publicado em 27/04/2020, às 17h52 - Atualizado às 17h53

Cynthia, Jules e John em foto de família
Cynthia, Jules e John em foto de família - Divulgação

Muito se sabe sobre a vida íntima de John Lennon enquanto ela ainda estava vivo. No entanto, um capítulo, que pode até passar despercebido, chamou atenção quando veio à tona: a relação do artista com Julian, fruto do seu casamento anterior a Yoko Ono.

Julian é filho Cynthia Lennon — primeira esposa do cantor. O casamento dos dois, segundo o próprio Julian, foi o motivo que o fez considerar o pai um hipócrita. John e Cynthia se separaram em 1968, quando o garoto tinha apenas cinco anos.

Ao longo de sua vida, Jules — como era chamado — deu algumas declarações polêmicas a respeito do pai. Em relação a vida com os seus pais ele disse ao Daily Telegraph que: “Papai podia falar sobre paz e amor em voz alta para o mundo, mas ele nunca podia mostrar isso para as pessoas que supostamente significavam mais para ele: sua esposa e filho”. 

Ele ainda completou: “Como você pode falar sobre paz e amor e ter uma família aos pedaços? Sem comunicação, e marcada pelo adultério e divórcio? Você não pode fazê-lo, não se estiver sendo sincero e honesto”. John era um assíduo defensor da paz mundial e do movimento hippie, algo que ele adquiriu muito por sua relação com a artista Yoko Ono.

Jules Lennon por volta de 2000 / Crédito: Wikimedia Commons

 

De acordo com o filho do astro, essa fase de sua vida foi traumática. Ele afirmou que se sentia abandonado pelo pai, e que para ele, é como se John Lennon tivesse “desaparecido da face da Terra”. E existe um motivo específico para os sentimentos de Jules.

O apoio de fora

Enquanto os noticiários repercutiam o revolucionário amor de Lennon e Ono, Julian e Cynthia se sentiam simplesmente esquecidos. Nesse momento outro personagem importante em sua vida apareceu, e coincidentemente foi outro beatle tão grande quanto Lennon: Paul McCartney.

Por sinal, Hey Jude, a icônica canção dos Beatles, foi uma tentativa de Paul em confortar Jules que estava passando pela separação de seus pais. A música originalmente deveria se chamar Hey Jules, mas McCartney achou que era mais fácil de ser cantado da maneira com que é conhecida até hoje.

Jules passou muito tempo sem falar com Lennon, praticamente toda a década de 60. Os dois só foram voltar a ter algum tipo de relação quando a então namorada de Lennon, May Pang (a essa altura, John e Yoko tinham dado um tempo), pediu para que o menino visitasse regularmente seu pai. Nessa fase, o beatle comprou uma guitarra, que viria à incentivar a carreira artística do filho.

Outra triste parte da relação entre o pai e o filho se deu com a violenta morte de John Lennon, em frente ao seu prédio em Nova York pelas mãos do perturbado Mark Chapman, no ano de 1980.

Declarações controversas

A busca por declarações de Julian a respeito de seu pai resultaram na revelação de seu maior ressentimento em relação a John: "Ele falou algumas coisas bem pesadas a meu respeito... como quando afirmou que eu era fruto de uma garrafa de uísque em uma noite de sábado (...) Onde está o amor nisso? Paul e eu costumávamos sair mais do que eu e meu próprio pai.".

Como se não bastasse a morte precoce, o testamento de Lennon também não envolveu Jules, ao mesmo tempo que seu meio-irmão, Sean Ono Lennon, era o herdeiro principal.

Na verdade, Julian não deixaria de receber algo, ele iria ficar com 2 mil e 400 libras anuais que John assinou em um acordo com Cynthia quando se separaram. Aos 25 anos, o filho herdou 50 mil libras por conta de um fundo.

Porém, se comparado com o patrimônio que John Lennon tinha, a quantidade era ridiculamente pequena. O ex-beatle possuía 220 milhões de libras em patrimônio líquido 18 anos depois de sua morte, com a maioria da fortuna sendo destinada a Yoko e Sean.

“Não acho que seja necessariamente justo, mas estou bem”, afirmou Julian no momento que o testamento parou nas manchetes. O filho se preocupava com a atenção que a mídia poderia dar aos dois irmãos caso levantasse um processo judicial, já que em uma herança dessa proporção demoraria algo em torno de meia década até se resolvido.

Além disso, nenhum item pessoal de John Lennon ficou com Jules, uma vez que ele não estava no testamento. Segundo o filho, ele teve que comprar com o próprio dinheiro objetos que eram de seu pai.

Disputa judicial

Em 1996, ele teria, supostamente, entrado com uma ação de disputa judicial acerca da herança de seu pai. Não se sabe ao certo o final dessa história, mas o filho teria conseguido mais de 20 milhões de libras diante da disputa.

Em 2009, ele parecia ter amenizado sua frustração em relação ao pai, e durante uma entrevista recordou o tempo em que justamente se aproximou de John nos anos 70: “Papai e eu nos demos muito melhor. Nos divertirmos muito, rimos muito e tivemos um bons momentos em geral quando ele namorava May Pang. Minhas memórias em relação a John e May são muito claras — foi o momento mais feliz com ele”.


+Saiba mais sobre os Beatles por meio das obras disponíveis na Amazon

The Beatles a biografia, Bob Spitz (2007) - https://amzn.to/34UWugM

Here, There and Everywhere. Minha Vida Gravando os Beatles, Geoff Emerick (2013) - https://amzn.to/2Pk8QIv

Beatles 1966: o ano Revolucionário, Steve Turner (2018) - https://amzn.to/2DRxQl0

Lembranças de Lennon, Jann S. Wenner, Conrad (2001) - https://amzn.to/2rY1IJX

John Lennon: A Vida, Philip Norman (2009) - https://amzn.to/2YomyhL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du