Matérias » Estados Unidos

George Stinney: como a cruel execução de um garoto negro nos EUA foi revista 70 anos depois

Em 2014, a sentença ocorrida década de 1940, onde um menino de 14 anos foi injustamente acusado de um crime brutal foi revista

Alana Sousa Publicado em 31/01/2021, às 15h00

Foto de George Stinney após ser preso pela polícia
Foto de George Stinney após ser preso pela polícia - Wikimedia Commons

Era 16 de junho de 1944, estado da Carolina do Sul, Estados Unidos. George Stinney tinha 14 anos e pesava apenas 40 kg quando foi encaminhado para o setor da prisão em que seu terrível fim o aguardava. Sob um grande catálogo de telefone, o menino foi alocado na cadeira elétrica; ao ser atingido com o choque, rapidamente veio a óbito. Acontecia uma das execuções mais injustas da história americana.

O garoto afro-americano morava na região de Alcolu, em uma área que vivia os terrores da segregação racial. Naquele ano, em uma vala próxima a sua residência os corpos de duas meninas foram encontrados sem vida.

Mary Thames tinha 8 anos, enquanto sua amiga, Betty Binnicker tinha apenas 11. As crianças brancas haviam sido vistas pela última vez com vida enquanto andavam de bicicleta e admiravam os diferentes tipos de flores pelo bairro.

Após relatar o desaparecimento das meninas, os cadáveres foram localizados já sem vida e com marcas de pancadas numa área rasa, repleta de água, no dia seguinte. Como não havia suspeitos, pistas ou, até mesmo, a arma do crime, as autoridades se voltaram para os moradores mais próximos da cena hedionda.

Cena do filme Carolina Skeletons, que conta a história de George Stinney / Crédito: Divulgação

 

Johnny e George Stinney foram levados para a delegacia, eram os possíveis autores do duplo assassinato — ainda que não houvesse provas para sustentar a teoria. Logo o garoto mais velho foi solto, restando apenas George na posse dos policiais.

Com a repercussão do caso, as autoridades sentiam a pressão para encontrar o assassino o mais rápido possível. Contando ainda com motivações raciais, já que só havia brancos em posições de poder, culpar uma criança negra parecia a estratégia ideal; e assim foi feito.

A confissão, no mínimo, duvidosa — sem a presença de advogados ou da assinatura de Stinney —, fez a Justiça aceitar a conclusão do advogado H. S. Newman de que o garoto era mesmo culpado.

No julgamento, que contou com a presença de mil pessoas brancas, inclusive no júri, George foi condenado à morte na cadeira elétrica em apenas uma hora de discussão. Para a promotoria, o menino tinha utilizado uma barra de ferro para matar as meninas, motivado pela vontade de ter relações sexuais com Betty e frustrado com a presença de Mary.

Em uma cela solitária em Columbia, Stinney aguardou o dia da execução. Três meses depois, em junho, aconteceu a eletrocussão, mesmo com um apelo da família para o governador do estado, Olin D. Johnson.

O político negou a revogação da sentença e respondeu na época para os parentes: “Poderia ser interessante para vocês saber que Stinney matou a menina mais nova para estuprar a mais velha. Depois, ele matou a garota e estuprou seu defunto. 20 minutos depois, ele voltou e tentou estupra-la de novo, mas seu corpo estava muito frio. Tudo isso foi admitido por ele”.

Era o fim de um menino de 14 anos, cuja culpa era morar perto de uma cena do crime. Todavia, 70 anos depois, uma revisão do caso mudou a reputação de George, ainda que não tenha sido possível mudar seu passado.

O menino inocente

Cena do filme Carolina Skeletons, que conta a história de Stinney / Crédito: Divulgação

 

Em dezembro de 2014, conforme repercutiu o portal G1, a juíza Carmen Tevis Mullen, da Carolina do Sul, revisou a sentença de George Stinney e mudou o veredito. Devido a um julgamento repleto de “violações fundamentais e constitucionais a um processo regular”, a magistrada absolveu o garoto, declarando-o inocente.

Em sua decisão histórica, Mullen relatou: “Não lembro de um caso, em que tenham sido tão abundantes as provas de violações aos direitos constitucionais e tantas as injustiças”. Mencionando detalhes essenciais que poderiam ter mudando o futuro do acusado, Carmen escreveu que o advogado contratado “fez muito pouco, ou nada, para defender Stinney”.

A arma do crime, uma barra de ferro de 38 centímetros parece ter sido adquirida ilegalmente, pelos policiais que atuaram no episódio. Sobre o tema, a juíza comentou que os oficiais agiram de “forma indevida, não conforme os códigos e os procedimentos penais”.

Embora não tenha mudado o que acontecera com George na década de 1940, a revisão serviu para limpar seu nome para a sociedade, algo que membros de sua família buscavam incansavelmente durantes os últimos anos. Ao saber da absolvição do irmão, Katherine Stinney Robinson, de 80 anos, falou: “Estou tão feliz, essa decisão demorou muito”.


+Saiba mais sobretemas semelhantes através das obras disponíveis na Amazon 

Martin e Rosa: MartinLutherKing e RosaParks, unidos pela igualdade, de Raphaële Frier (2014) - https://amzn.to/37ZwNxw

I Am RosaParks, de Rosa Parks e James Haskins (1999) - https://amzn.to/2Oyle8U

A autobiografia de Martin Luther King, de Clayborne Carson e Martin Luther King (2014) - https://amzn.to/2Y23w0h

Mamãe & Eu & Mamãe, de Maya Angelou (2018) - https://amzn.to/2rA6yNs

Uma autobiografia, de Angela Davis (2019) - https://amzn.to/2q2uZm4

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W