Matérias » Personagem

Stalin: A controversa verdade por trás do culto ao ditador soviético

O ditador que matou milhões de pessoas de fome, ainda tem adoradores na Rússia, para quem ele foi responsável pela modernização do país e pela vitória sobre Hitler

Marina Darmaros e Wagner Gutierrez Barreira Publicado em 10/12/2019, às 11h00

Josef Stalin
Josef Stalin - Getty Images

A história já deu a Stalin seu lugar: o de tirano cruel. O homem sem escrúpulos que não se importou em matar milhões de ucranianos, cazaques e siberianos de fome durante o período de coletivização do campo na URSS, no início dos anos 30. O líder responsável pela morte de 700 mil bolcheviques e militares nos chamados Processos de Moscou, no qual a maioria das confissões era obtida por meio de tortura.

O maquiavélico que fez alianças com membros do partido apenas para isolar supostos adversários e, em seguida, traí-los e condená-los à morte. O comunista sem princípios que se aliou ao nazismo com o pacto de não agressão de 1939.

O general paspalho que usou a população russa como bucha de canhão na Segunda Guerra, na qual a URSS perdeu quase 24 milhões de pessoas (em comparação, as baixas da derrotada Alemanha não chegaram aos 8 milhões). Por fim, sua morte levou à divisão mundial do comunismo, com defensores e detratores que romperam com o monolito esquerdista que seguia os ditames de Moscou.

A volta do culto à personalidade de Stalin nos países da antiga União Soviética, em especial na Geórgia, onde nasceu, e na Rússia, a capital do império, não é obra de amadores nem se limita a fãs esparsos do ditador bigodudo. Ela encontra eco em intelectuais e historiadores. E pode ser vista nas ruas de Moscou.

Uma organização civil chamada Sindicato dos Cidadãos Russos chegou a recolher assinaturas para devolver a Volgogrado o nome pelo qual a cidade se tornou célebre em todo o mundo: Stalingrado. Ali, durante a Guerra Civil que se seguiu à Revolução Bolchevique, Stalin conduziu o Exército Vermelho e conquistou uma grande vitória.

Foto de Stalin / Crédito: Getty Images

 

Em 1925, quando ele já exercia plenamente o poder na URSS, o Comitê Central do Partido Comunista propôs que a cidade ganhasse seu nome - e como Stalingrado ela foi palco de uma das maiores, mais sangrentas e heroicas batalhas da Segunda Guerra. O nome perdurou até 1961.

Stalingrado

No site da organização, explica-se que "a posição do Sindicato dos Cidadãos da Rússia é simples e compreensível a cada patriota". O abaixo-assinado recolheu na internet 9.780 assinaturas a favor da mudança - e 687 contra. Na véspera das eleições presidenciais, já se acreditava que o presidente russo, Vladimir Putin, rebatizaria a cidade para atrair eleitores.

Membros do Clube de Especialistas de Volgogrado conseguiram mudar o nome da cidade por um dia em comemoração aos 70 anos da vitória das tropas soviéticas, em 2 de fevereiro. "A ideia é fazer disso uma tradição, enquanto não se resolve a questão da renomeação da cidade", diz o cientista político Vitáli Arkov, membro do grupo.

Stalin, batizado Iosif Vissarionovich Djugashvili, morreu em março de 1953. Desde então, a Rússia está na terceira onda de desestalinização. A primeira, conduzida por Nikita Kruschev em seu discurso secreto no 20º Congresso do Partido Comunista da URSS, revelou os crimes de Stalin.

Em 1961, quando Stalingrado foi rebatizada de Volgogrado, o corpo do tirano foi retirado do gélido mausoléu da Praça Vermelha, onde ainda hoje estão em exposição os restos de seu predecessor, Vladimir Lenin. Stalin foi enterrado próximo de um dos muros do Kremlin - ainda hoje é um dos túmulos mais visitados no local.

A segunda onda veio nos anos 80, com a perestroika de Mikhail Gorbachev. O líder que implodiu a URSS combatia qualquer manifestação de apoio ao totalitarismo. Um dos pontos altos dessa fase foi o filme Pokaianie (Confissão), de 1984. Uma crítica alegórica ao stalinismo, a ficção do georgiano Tenghiz Abuladze foi imediatamente proibida na União Soviética. Relançado três anos depois, com a abertura promovida por Gorbachev, ganhou a Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1987.

Por fim, a terceira onda é recente. Iniciou-se em 2010 com a nomeação de Mikhail Fedotov ao cargo de chefe do Comitê Presidencial para os Direitos Humanos. Uma das primeiras ações de Fedotov foi declarar guerra ao culto a Stalin.

Stalin / Crédito: Getty Images

 

Ele contava com o apoio do então presidente Dmitri Medvedev para a criação de um novo projeto de "desestalinização da consciência russa" a partir de 2011. A confirmação de Fedotov no cargo em 2012 levou os russos, que antes acreditavam na contrariedade de Putin ao processo, a crer no seu apoio à desestalinização, apesar de seu silêncio quanto ao assunto.

O silêncio se explica. Até hoje o tirano goza da simpatia de uma boa parcela da população russa. De acordo com estudo do VtsIOM (Centro Russo de Pesquisas de Opinião Pública) publicado em abril de 2011, um em cada quatro russos afirma que sua família sofreu repressão na era Stalin. Mas só 26% dos entrevistados apoiam a desestalinização - e quase metade consideram os esforços como tagarelice e mitificação. Também cresceu o número de russos que consideram o papel de Stalin como positivo: de 15% em 2007 para 26% em 2011.

Avanços econômicos

Combater o georgiano, notaram logo as autoridades russas, não era tarefa fácil. Na primeira vez em que se ensaiou uma reabilitação do tirano, não havia transcorrido nem dez anos de sua morte. O líder Leonid Brejnev, considerado um neostalinista, citou Stalin nas comemorações dos 20 anos do fim da Grande Guerra Patriótica, o nome como os russos chamam a Segunda Guerra. "Não devemos encobrir os erros, mas também não podemos encobrir os méritos. Portanto, respeitemos Stalin", disse Brejnev, sob aplausos.

Que méritos são esses? O ex-vice-presidente da Comissão Presidencial Contra a Falsificação da História em Favor dos Interesses da Rússia Issaak Kalina é conhecido por defender o uso de livros de história da Federação Russa redigidos por Aleksandr Filippov, os quais se referem a Stalin como "um administrador eficiente" e à repressão civil como "custos" do progresso.

De fato, a habilidade como "administrador" é o principal argumento dos que advogam em seu favor hoje. Mesmo durante sua vida, teve seus méritos reconhecidos, até pela insuspeita revista conservadora norte-americana Time, que o escolheu homem do ano duas vezes, em 1939 e 1942.

Basta uma análise de alguns números dos dois primeiros Planos Quinquenais soviéticos, tocados a mando de Stalin. Vale lembrar que o planeta enfrentava a Grande Depressão que sobreveio ao Crash de 1929 (a URSS era um país isolado, mas ainda assim os avanços são impressionantes).

Stalin e seus filhos, Vasily e Svetlana / Crédito: Getty Images

 

"A economia soviética, segundo as mais recentes e confiáveis estimativas, cresceu no mínimo 70% entre 1933 e 1938", registra Richard Overy, professor do King¿s College de Londres, em seu livro Os Ditadores. Ainda que os esforços soviéticos não tenham valorizado o consumo de massa, o planejamento econômico dos comunistas foi capaz de, entre 1928 e 1937, fazer a produção de máquinas crescer incríveis 2.425%.

O número da produção de automóveis foi catapultado de 800 unidades anuais para 200 mil no mesmo período. Muitos fundamentos do estudo da macroeconomia, hoje matéria obrigatória em cursos de economia, são resultado do trabalho dos burocratas soviéticos.

"Vinte milhões de pessoas morreram em três ou quatro anos com a Guerra Civil, e a Primeira Guerra resultou em ainda mais 1,5 milhão de mortos. O país sumiu do mapa da política mundial, era apenas sangue, chamas, violência", diz o historiador Aléksandr Vershínin, do Centro de Análises da Governança. "Stalin surgiu do sangue da guerra civil. E, no lugar do caos, instalou a calmaria."

Não existem números definitivos, mas fala-se em 8 milhões de mortos de fome na URSS, 5 milhões dos quais na Ucrânia, por causa da política de industrialização e da coletivização forçada do campo. Stalin enviava comissários para checar a produção e identificar desvio de grãos, mas não dava ouvidos às críticas.

Quando um funcionário ousou relatar o que ocorria na Ucrânia, Stalin o cortou, como relata Simon Sebag Montefiore em Stalin, a Corte do Czar Vermelho: "Fabricar tal conto de fadas sobre a fome! Achou que nos assustaria, mas não vai funcionar". Em seguida, sugeriu que o burocrata deixasse o comitê central do partido na Ucrânia e entrasse para a União dos Escritores, onde poderia se dedicar à ficção. Mas a fome era real. Tristemente real.

A vida íntima do ditador

Certa vez, Stalin perdeu a compostura com seu filho Vassíli, que havia se aproveitado do sobrenome famoso. "Mas eu sou um Stalin também", rebateu o filho. A tréplica foi colérica: "Não, você não é. Você não é Stalin e eu não sou Stalin. Stalin é o poder soviético. Stalin é o que ele é nos jornais e nos retratos, não você, nem mesmo eu!"

Stalin e sua filha Svetlana / Crédito: Getty Images

 

A vida pessoal do ditador foi um grande tumulto. Iosif Vissarionovich Djugashivili nasceu 1878 em Gori, na Geórgia. Vissarion, seu pai beberrão, trabalhou como sapateiro e costumava espancar a mãe, a lavadeira Ekaterina (Keké) e o pequeno Soso - ele morreu numa briga e foi enterrado como indigente. Seus dois irmãos morreram na infância e ele mesmo sobreviveu à varíola. O menino estudou em um seminário e conviveu com dúvidas sobre a paternidade. "É possível que Stalin seja filho de seu padrinho, um rico estalajadeiro", diz Simon Montefiore. O próprio ditador disse uma vez que seu pai era um padre.

Em 1899, expulso do seminário, tornou-se revolucionário em tempo integral e assaltava bancos para ajudar o caixa do partido. Adotou o nome Koba, um personagem fora da lei do romance O Parricida. Foi preso pela primeira vez em 1902 e enviado para a Sibéria. Fugindo da cadeia e voltando a ela, casou-se com Ekaterina Svanidze, com quem teve um filho, Iákov. Ela sucumbiu a uma tuberculose, aos 29 anos. No enterro, Stalin disparou uma frase premonitória: "Ela morreu e com ela morreram meus últimos sentimentos ternos pelas pessoas".

Stalin, codinome que adotou em 1912, significa aço, ou feito de aço. O viúvo se casou com um antiga datilógrafa de Lenin, Nádia Alliluyeva. Ele tinha 41 anos, ela 18. Tiveram dois filhos, Vassíli e Svetlana. Nádia se suicidou com um tiro, dentro do Kremlin.

O primogênito Iákov, oficial de artilharia, foi preso no início da Segunda Guerra e os nazistas tentaram envolvê-lo numa troca de prisioneiros. Stalin rejeitou a proposta e seu filho morreu no campo de concentração de Sachsenhausen.

Vassíli foi um jovem desregrado, piloto da aeronáutica. Morreu em 1962, em decorrência do alcoolismo. Svetlana, a queridinha, depois de vários casamentos infelizes, fugiu da URSS, voltou, e por fim se estabeleceu nos EUA. Escreveu duas autobiografias e ficou rica. Perdeu todo o dinheiro e morreu na obscuridade.


+Saiba mais sobre Stalin através das obras abaixo

Stalin, de Simon Sebag Montefiore (2006) - https://amzn.to/34CVHRf

Stalin - Boxe, Dmitri Volkogonov (2017) - https://amzn.to/2rJnzVk

Stálin: Nova biografia de um ditador, de Oleg V. Khlevniuk (2017) - https://amzn.to/2LbJISW

Stálin - Volume 1: Paradoxos do poder, 1878-1928, de Stephen Kotkin (2017) - https://amzn.to/2OBte90

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.