Matérias » Guerra Fria

Movimento de Maio de 1968: é proibido proibir

Estudantes e trabalhadores tomavam as ruas de Paris em busca de outro mundo. Um que não veio

Bianca Borges Publicado em 12/05/2019, às 23h00

None
- "A política acontece nas ruas", dizia um dos slogans das manifestações / Crédito: Reprodução

Um espírito revolucionário tomava conta das ruas da capital francesa. Ouviam-se gritos de protesto e manifestações de insatisfação. As palavras de ordem estavam nas bocas, nos cartazes, em panfletos, nos grafites que estampavam os muros nos arredores das universidades.

O tom ia da ironia à provocação, com doses de acidez e utopia. Uma das frases do movimento propunha: “Sejamos realistas, peçamos o impossível”. Havia barricadas e enfrentamentos diretos entre os manifestantes e a tropa de choque francesa. Cada pedra de paralelepípedo extraída da calçada ou coquetel molotov arremessado em direção à polícia era revidado com cassetetes e bombas de gás lacrimogêneo.

Era maio de 1968 e as ruas parisienses assistiam aos protestos de jovens estudantes que reivindicavam renovação. Renovação em geral: do sistema burocrático aos padrões comportamentais, do modo de vida tradicional francês à forma de ensino adotada pelas universidades.

Aos estudantes, se uniram os operários, por aumento de salário e melhores condições para a produção nas fábricas. Tudo ao ritmo do rock and roll e de drogas alucinógenas, notoriamente o LSD.

Batalha estudantil

O estopim da insatisfação dos estudantes foi um episódio em março de 1968, com uma revolta liderada pelo jovem Daniel Cohn-Bendit, na Universidade de Paris, em Nanterre. O cabelo ruivo, o comportamento incendiário e a simpatia esquerdista renderam a ele a alcunha de Dany Le Rouge (Daniel, o Vermelho).

Anarquista de origem franco-alemã (era filho de judeus germânicos que fugiram do nazismo em seu país), ele comandou a rebelião dos estudantes que ocuparam a torre administrativa da Faculdade de Sociologia, em março de 1968. Protestavam contra a prisão de seis colegas, no episódio que ficou conhecido como Movimento 22 de Março, um embrião do que estaria por vir em maio.

Ao longo das semanas seguintes, os universitários entraram em conflito com a polícia francesa, descontentes com a burocracia da instituição e suas convenções, vistas como ultrapassadas. Eles iam contra a burocracia que impedia, por exemplo, os alunos de dividir os quartos da residência universitária com colegas do sexo oposto.

Os conflitos fizeram a universidade ser fechada em 2 de maio. Poucos dias depois, os alunos de Nanterre ganharam o apoio dos universitários da Sorbonne e os protestos se alastraram por toda a França. Os sindicatos de trabalhadores resolveram aderir e articularam uma greve geral.

Era para durar 24 horas, mas a capital francesa foi interditada por vários dias, começando em 18 de maio. Nas ruas, milhares protestavam contra as políticas trabalhista e educacional do governo De Gaulle.

Mas o que levou os trabalhadores e outros segmentos da população a ficar a favor dos estudantes? O coordenador do curso de história da Unisuam, Leonardo Santana da Silva, acredita que há duas razões.

“A primeira seria a própria truculência da polícia parisiense e a forma altamente agressiva usada para conter um movimento estudantil que apenas demonstrava seus descontentamentos com os currículos escolares, as disciplinas rígidas e a própria estrutura acadêmica conservadora, reivindicando, assim, mudanças para esse modelo. A segunda razão seria porque a população também já demonstrava insatisfação com o governo conservador de Charles de Gaulle, que não era compatível com o novo panorama político francês, com a evolução da democracia e, consequentemente, com a própria conscientização e discurso político engajado através dos sindicatos e das greves.”

“A revolução deve ser feita nos homens, antes de ser feita nas coisas”, diziam os manifestantes / Crédito: Reprodução

Mas a aproximação entre os dois grupos não ocorreu sem confronto. Assim descreve Denise Bernuzzi de Sant'Anna, professora de história da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e doutora em história das civilizações ocidentais pela Universidade de Paris: “Houve certo estranhamento entre os estudantes da classe média e os operários, muitos deles de origem argelina, tunisiana ou marroquina. Além disso, apenas uma parte da população via os estudantes de forma simpática, entendendo que estes poderiam ser membros de sua família. Houve quem se opusesse a eles, dentro e fora das universidades. Houve quem não percebesse o que acontecia. Vale lembrar que muitos franceses moravam distante dos grandes centros e não se sensibilizaram pelo que ocorria nas ruas parisienses”.

Crise de representatividade

O clima de agitação nas ruas, os atos de contestação dos estudantes nas universidades e a troca de ataques entre os jovens manifestantes e os policiais foram observados ao longo de todo o ano de 1968.

Mas foi no mês de maio que as revoltas na capital francesa foram percebidas com mais força ao redor do mundo, chegando ao conhecimento de outros países via meios de comunicação de massa, principalmente a televisão.

Além da profunda insatisfação dos grupos de estudantes em relação às instituições e às mais elevadas instâncias, que já não mais os representavam, existia uma indagação sobre a ideia vigente de modernidade e sociedade de consumo. Esse questionamento foi expresso em slogans como “Abaixo a sociedade espetacular mercantil” e a provocação “Consuma mais, viva menos”. Não era apenas uma rebeldia estudantil, mas uma insurreição de questionamentos existenciais.

O vermelho e o azul

Diferentemente de muitos movimentos de massa, esse não aconteceu em uma situação de crise. O herói da Segunda Guerra e líder da resistência francesa Charles de Gaulle encarnava o nacionalismo. Culturalmente, era uma sociedade conservadora. Em termos econômicos, apesar de haver índices de desemprego, a economia se encontrava em situação relativamente estável.

Em Paris 1968 - As Barricadas do Desejo, Olgaria Matos, professora titular da Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutora pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (França), descreve o significado do movimento francês como uma afirmação dos direitos da subjetividade. E não uma luta pelo ou contra o poder.

Segundo ela, o levante deve ser interpretado como “uma crítica radical à fusão do indivíduo na totalidade, quer seja esta entendida como Partido ou Estado (...). O movimento de jovens estudantes e operários praticou a espontaneidade consciente e criadora. Não considerou o sistema de partidos ou grupos de pressão a qualquer nível; não participou nem do sistema nem de seus métodos. Desde o início ele não tem dirigentes, nem hierarquia, nem disciplina partidária ou outra; contestou os profissionais da contestação, violando as regras do jogo que as oposições dominam”.

Ainda de acordo com Olgaria, maio de 1968 tomou “as formas do movimento vermelho e azul”. As referências seriam uma alusão, respectivamente, às cores do marxismo revolucionário e do imortal romantismo.

Ecos chineses

Existia, em muitos dos manifestantes franceses, inspiração na Revolução Cultural da China. Formada por esquadrões de jovens comunistas incitados por Mao Tsé-Tung e conhecidos como a guarda vermelha, ela surgiu em 1966 com o discurso de atacar os Quatro Velhos: as velhas ideias, os velhos hábitos, os velhos costumes e a velha cultura. A Revolução Cultural causou entre 400 mil e 10 milhões de mortes (as estimativas variam enormemente). Aos estudantes do outro lado do planeta, isso ou não chegava ou soava como propaganda reacionária.

Jovens estudantes clamavam por renovação / Crédito: Reprodução

Mao como herói era uma ideia dos adultos. Sua revolução dentro da revolução se opunha à normalidade burocrática soviética, e os dois países eram quase inimigos. Lançado um ano antes do movimento francês, o filme A Chinesa, de Jean-Luc Godard, antecipa o clima de contestação de 1968, com a história de um grupo de estudantes franceses que se tranca num apartamento durante as férias. Ao mesmo tempo em que discutem diferentes temas políticos e sociais, eles planejam ações terroristas. No refrão da música principal do filme ecoa: Maô-Maô.

Godard era maoísta e liderou cineastas que deram início aos protestos que suspenderam a programação normal do Festival de Cannes de 1968, também ocorrido em maio. A entrega da Palma de Ouro deu lugar ao espírito de revolta que tomava conta das ruas parisienses. Vários cineastas retiraram suas obras da competição, num movimento de boicote à premiação. A sede da mostra virou ponto de encontro dos cinéfilos militantes, sendo tomada por discursos políticos inflamados.

Outro nome que exercia forte influência no contexto francês de 1968, o filósofo Jean-Paul Sartre também flertou com o maoísmo. Mas o escritor e crítico existencialista, apesar do encantamento com o movimento de contestação francês, se preocupava com a definição clara de um objetivo para o levante estudantil.

Em conversa com Daniel Cohn-Bendit, Sartre o questionou sobre aonde seu grupo queria chegar. O líder estudantil respondeu que não havia um projeto definido e a espontaneidade era o traço mais valioso do movimento. Este precisava ser obrigatoriamente caótico para provocar um choque no sistema. O filósofo ficou desapontado com a resposta. “Entendo, mas vocês não conseguirão manter essa energia. Se não canalizá-la, ela se dissipa... As férias vêm aí, as pessoas vão para a praia, vai haver uma dissipação dessa força.”

Fim da utopia

Sartre estava certo. Apesar dos reflexos em diversas partes do mundo - com as manifestações francesas se alastrando pela Europa, servindo de inspiração para países da América Latina e dialogando com manifestações nos Estados Unidos -, nenhuma dessas lutas culminou com a tomada do poder pala juventude.

Após os protestos nas ruas parisienses, as universidades reabriram, o calendário das aulas foi retomado e Charles de Gaulle, o mesmo general que muitos manifestantes aspiravam derrubar, continuou no poder até abril do ano seguinte.

Ao ser pressionado pelos protestos, ele recorreu a manobras políticas para driblar as reinvindicações, desmobilizar os estudantes e fazer com que os operários voltassem às fábricas. Em 30 de maio, o general se dirigiu à nação em um discurso no rádio, em que anunciou novas eleições para junho e sugeriu que seriam usados meios militares para restaurar a ordem no país.

O controle da situação foi retomado com a volta dos trabalhadores às fabricas após a promessa de aumento salarial. As ruas estavam pacificadas novamente e, com a vitória de aliados do general De Gaulle nas eleições, a revolta estudantil chegava ao fim. O movimento terminaria se dissipando.

Ecos pelo mundo

Apesar de muitas das aspirações terem se perdido pelo caminho, pode-se dizer que diversas conquistas se tornaram possíveis apenas por causa do estardalhaço gerado naquele maio histórico.

Professor de sociologia na universidade de Nanterre naquele período, durante seu exílio do Brasil, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu, em entrevista para a televisão, que a chamada Segunda Revolução Francesa não teve leitura uniforme em todos os lugares onde reverberaram os gritos das ruas parisienses. “O movimento foi relido de acordo com as circunstâncias [sociais, históricas, políticas e econômicas] de cada um dos países. Aqui no Brasil, conforme as nossas características. Nos Estados Unidos [do pós-Guerra do Vietnã e abalados pelo assassinato do pastor protestante e ativista negro Martin Luther King], os movimentos tiveram como resultado conquistas no campo dos direitos civis. Enquanto na França as mudanças promovidas se concentraram sobre o modo de vida [um dos principais pontos questionados pelos estudantes].”

Conflitos entre policiais e manifestantes marcaram maio de 1968 / Crédito: Reprodução

Entre os brasileiros, que viviam tempos de repressão e censura às vésperas do anúncio do AI-5, as mudanças após as reivindicações atenderam a demandas inseridas em nosso contexto, sendo desenhadas pelas manifestações artísticas da época, conforme descreve a professora Denise Bernuzzi de Sant'Anna. “Na ditadura brasileira, os ventos de maio de 1968 foram traduzidos a partir das necessidades locais. Os gritos eram por liberdade, contra a opressão militar. Mas também houve a influência forte não apenas do movimento estudantil francês como também de tudo o que o nutria: a música, o teatro, a literatura corrosiva da época.”

Promovida pelo movimento estudantil, então o principal núcleo de oposição ao regime militar que vigorava no Brasil desde 1964, a Passeata dos Cem Mil, no Rio de Janeiro, em 26 de junho de 1968, teve adesão maciça de populares e contou com a participação de diversos segmentos - estudantes, intelectuais, operários, profissionais liberais e religiosos.

Os protestos eram contra a violência policial praticada dias antes, no centro da cidade, que atingiu populares e estudantes. Entre as reivindicações estavam a suspensão da censura à imprensa, o restabelecimento das liberdades democráticas e o aumento de recursos destinados à educação.

A ano que nunca acabou?

O movimento francês de 1968 foi o estopim para uma grande revisão de valores pela geração dos anos 60 (os baby boomers). A partir dele, na França e, posteriormente, na Europa e no restante do mundo ocidental, surgiram brechas para defender as liberdades civis democráticas, a liberação sexual, a causa da luta feminista, os direitos dos imigrantes e outras minorias, a igualdade entre negros e brancos, homossexuais e heterossexuais, entre outros feitos civilizatórios.

Houve ainda uma abertura em instituições até então vistas como fechadas e burocráticas. Resultados muito distantes daqueles que eram reivindicados nas ruas, embora sem uma pauta clara, mas alinhados com as crenças dos jovens manifestantes: a renúncia do general De Gaulle em 1969, a adoção de novas relações de poder, uma nova maneira de produzir, um novo meio de fazer política.

Não por acaso, tão logo um movimento de contestação atual toma as ruas, é comum o associarem àquelas manifestações. O sentimento, na época, era de que a grande mudança partiria de uma aglutinação espontânea de grupos que tomariam as ruas e, consequentemente, derrubariam o poder instaurado. Como se a junção de alguns indivíduos com ideais comuns fosse tão suficiente para ”quebrar o sistema” quanto a reunião de alguns amigos para formar uma banda de rock.

Mesmo sem uma pauta claramente definida, o que importava era ir às ruas, participar das agitações, expressar a insatisfação com um governo que não os representava. Tudo porque, como dizia um dos cartazes carregados pelos manifestantes pelas ruas parisienses, “destruir é já começar a construir”.


Saiba Mais

A Chinesa, Jean-Luc Godard, 1967

Noites Longas e Manhãs Breves, William Klein, 1978

Os Sonhadores, Bernardo Bertolucci, 2003

No Intenso Agora, João Moreira Salles, 2017

Paris 1968 - As Barricadas do Desejo, Olgaria Matos, Editora Brasiliense, 1981