Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Pelé

O famoso soco no ar de Pelé inspirou os Panteras Negras?

A semelhança entre comemoração do craque após os gols e o símbolo da resistência negra gerou teoria curiosa

Ingredi Brunato Publicado em 07/01/2023, às 00h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Pelé e seu gesto lendário e membros do movimento Panteras Negras - Getty Images e Divulgação/ Steven Kasher Gallery
Pelé e seu gesto lendário e membros do movimento Panteras Negras - Getty Images e Divulgação/ Steven Kasher Gallery

Os Panteras Negras foram um partido político norte-americano que tinha como objetivo a defesa dos direitos da comunidade negra nos Estados Unidos. Ele foi fundado em 1966, tendo como símbolo um punho cerrado no ar. 

Já o famoso ato de comemoração de Pelé após seus gols, realizado tantas vezes durante sua lendária carreira no futebol, era o soco para o alto — essa curiosa semelhança, por sua vez, levou dois jornalistas brasileiros a elaborarem uma teoria peculiar.

Em uma matéria publicada pelo Globo Esporte em 2020,Diego Moraes e Marcos Luca Valentim apontam uma coincidência temporal: os Panteras Negras foram criados apenas dois meses após o Santos jogarem uma partida em Nova York. 

Na ocasião, o Peixe ganhou de nada menos que 4 a 0 contra o Benfica, time português. A goleada já era esperada: afinal, era a equipe onde jogava Pelé, o Rei do Futebol, que àquele ponto já havia vencido duas copas, as de 58 e 62. 

Ídolo universal

O camisa 10, que tinha então 26 anos de vida, era celebrado internacionalmente por seu desempenho em campo. Conforme relembrado pelo Globo Esporte, uma boa maneira de exemplificar a adoração gerada pelo futebolista é citando seu encontro comRonald Reagan em 1982.

O político teria se apresentado para o brasileiro da seguinte forma: "Eu sou Ronald Reagan, presidente dos Estados Unidos. Mas você não precisa se apresentar, porque Pelé todo mundo sabe quem é". A interação icônica foi relembrada pelo craque em uma publicação do Instagram em 2018. 

Partindo do pressuposto que o Rei do Futebol tinha uma fama avassaladora, já sendo mesmo na juventude considerado o melhor jogador de futebol de todos os tempos, os autores da matéria sugerem ser possível que os Panteras Negras teriam se inspirado em Pelé para criar seu símbolo. 

O brasileiro era, afinal de contas, um homem negro de tez escura que, devido ao seu talento absurdo no esporte, havia conquistado aclamação internacional. Era um ídolo para muitos — e com certeza isso incluía membros da comunidade negra dos EUA. 

Não é possível confirmar, é claro, se os fundadores do partido de luta pela igualdade de raça realmente usaram o típico soco no ar de Pelé como modelo para seu símbolo de resistência.

Mas, caso tenham, também não seria de se estranhar: as vitórias consecutivas alcançadas pelo Rei do Futebol em campo com certeza eram um ideal que qualquer um gostaria de simular. 

A origem do punho para o alto 

Os socos desferidos por Pelé no ar depois que a bola batia na rede começaram em um jogo de 1959 contra a Juventus, time italiano cujos fãs não estavam perdendo tempo em insultar o craque a cada movimento seu. 

Pelé abraçando Jairzinho durante a Copa de 1970  / Crédito: Divulgação / FIFA

E, como ninguém é de ferro, aquela animosidade toda acabou por tirar o atleta do sério. Assim, quando ele marcou o último gol, vencendo a equipe adversária de 4 a 0, o golpe que deu não foi apenas comemorativo: isso, pois, o craque saiu no soco com a torcida da Juve. O Rei do Futebol relembrou a história em entrevista à revista Placar já em 1999: 

O jogo estava difícil porque o Juventus sempre foi de jogar se defendendo. E os torcedores estavam enchendo o saco. Quando saiu esse gol, parti para cima da torcida, brigando. Não fui dando o soco no ar para dizer ‘gol’. Fui xingando os caras: ‘Seus f.d.p.’. Foi aí que nasceu o soco no ar", contou. 

Assim, sua comemoração começou como um ato de quem já tinha perdido a paciência, e queria partir para ação. Um sentimento que também com certeza era familiar para os membros do movimento negro estadunidense dos anos 60. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!