Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Família Real Britânica

Os segredos revelados pelos cozinheiros que já serviram Elizabeth II

Descubra qual o chá favorito da monarca, e como são os protocolos para jantares oficiais

Redação Publicado em 06/08/2022, às 08h00

A rainha Elizabeth II - Getty Images e Pixabay
A rainha Elizabeth II - Getty Images e Pixabay

Darren McGrady é um chefe de cozinha britânico com um currículo de inspirar inveja: isso porque o profissional teve o privilégio de passar nada menos que 15 anos trabalhando para a monarquia britânica.

Durante certo período, ele foi o cozinheiro pessoal da própria rainha Elizabeth II, e também teve a oportunidade de cozinhar para a princesa Diana durante quatro anos. Atualmente, ele tem um popular canal no Youtube, onde ensina os internautas a prepararem receitas que tem a aprovação da realeza. 

Durante uma entrevista ao portal Coffe Friend no último mês de junho, o profissional compartilhou alguns dos fatos curiosos que aprendeu preparando as refeições da rainha da Inglaterra.  

Dieta saudável 

A longevidade de Elizabeth II frequentemente surpreende seus súditos. Ela completou 96 anos no último mês de abril, e também leva o título de mais longo reinado da história do trono britânico. 

A saúde resistente da rainha, contudo, não causa tanta surpresa quando se analisa seus hábitos alimentares: 

A rainha é muito, muito frugal e gosta de comida simples e básica. Isso vem de seus primeiros anos de crescimento durante a guerra", revelou McGrady ao Coffee Friend.  
Fotografia de Elizabeth II em seu casamento com o príncipe Philip, em 1947 / Crédito: Getty Images

“Foi uma das coisas que realmente me surpreendeu, quando me mudei do Savoy para o Palácio de Buckingham, pensei que todos os dias serviria salmão defumado, foie gras, caviar, mas não", admitiu o cozinheiro. 

Segundo ele, as refeições principais de Elizabeth II se constituem peixe grelhado ou frango, um ou dois vegetais, e uma tigela inteira de salada. A governante também não é muito chegada a carboidratos, e McGrady afirmou que, durante todo seu período cozinhando para ela, jamais serviu pizza. 

Informações repercutidas pelo site British Heritage, por sua vez, apontam algumas das bebidas favoritas da monarca. Ela costuma fazer seus desjejuns com chás da marca Earl Gray, por exemplo, e, quando toma algum drink alcoólico, possui uma preferência por coquetéis de gim. 

Outro detalhe curioso é que, ainda segundo revelado por Darren McGrady, dessa vez em uma conversa com a revista Marie Claire, a prataria e os talheres utilizados pela rainha, de maneira semelhante aos alimentos consumidos por ela, não são necessariamente glamorosos. 

As pessoas sempre dizem 'Oh, a Rainha deve comer de pratos de ouro e facas e garfos de ouro...', mas em Balmoral ela comia frutas de uma tupperware de plástico amarelo", contou o profissional. 

Veja abaixo o cozinheiro explicando a receita de um pão de banana que agradava o paladar de Elizabeth II:

Protocolos

Embora estar envolvido no dia-a-dia da cozinha do Palácio de Buckingham seja uma atividade curiosa por si só, o trabalho dos cozinheiros reais ganha um aspecto diferente durante eventos especiais, como os jantares em que a monarca da Inglaterra recebe chefes de Estado de outras partes do mundo. 

Graham Tinsley, um outro chef que trabalhou para a Família Real, explicou em uma conversa com a revista Hello! em 2021 como era preparar um banquete que contava com a presença desses convidados importantes. 

"A segurança era muito, muito rígida (...) Toda a equipe do bufê tem que se encontrar em uma delegacia de polícia e pegar uma carona de motocicleta até o Castelo de Cardiff", afirmou ele. 

Para banquetes de alto calibre, somos obrigados a colocar todos os nossos alimentos, recipientes, facas e equipamentos de cozinha em uma máquina de raio-x", explicou ainda. 

As medidas de segurança dizem respeito inclusive às figuras políticas presentes no jantar, de forma que, por vezes, esses convidados recebem codinomes para proteger suas verdadeiras identidades.