Matérias » Arqueologia

Ossos de plástico: A curiosa história da 'múmia' que confundiu as autoridades na Alemanha

Encontrada em 2012 por uma criança que explorava o sótão dos avós, a "múmia" chegou a ser considerada fruto de um crime

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 10/10/2021, às 09h00

Fotografia da múmia citada
Fotografia da múmia citada - Divulgação/ Lutz-Wolfgang Kettler/ Arquivo Pessoal

Em 2012, na cidade de Diepholz, localizada na Alemanha, um menino de apenas dez anos chamado Alexander foi responsável por fazer uma descoberta arqueológica inusitada. Tratava-se de uma múmia humana dentro de um sarcófago escondido no sótão da casa de seus avós. Ou foi o que as autoridades pensaram, a princípio. 

Rapidamente, a questão tornou-se um mistério, com policiais e especialistas em medicina forense tentando entender o que havia sido encontrado ali. O avô do garoto alemão havia morrido doze anos antes, de forma que não era mais possível questioná-lo a respeito da origem do excêntrico pertence. 

O pai da criança, que se chamava Lutz-Wolfgang Kettler, levantou a hipótese de que o item poderia ter sido comprado durante uma viagem do homem à África, algo que ocorrera na década de 1950. 

Rapidamente, ao analisar o que pensavam ser uma relíquia histórica, foi possível notar que as bandagens que embalavam os 'restos mortais' não eram provenientes do Antigo Egito.

Isso pois o material era muito mais moderno, datando do século 20 e tendo sido feito com uma máquina de costura, conforme repercutido na época pelo Art Daily. Outro detalhe relevante é que havia também uma máscara mortuária dentro do sarcófago.

Fotografia da máscara mortuária / Crédito: Divulgação/ Lutz-Wolfgang Kettler/ Arquivo Pessoal 

 

Esse exterior mais recente, contudo, não deslegitimava o possível conteúdo das bandagens, de forma que a múmia foi submetida a uma tomografia computadorizada para análises mais profundas. 

Quebra-cabeça de ossos

O exame revelou a existência restos mortais, com um esqueleto com a estatura estimada de 1,49 metros, segundo foi divulgado por um jornal local, o Kreiszeitung, no ano de 2012. Os ossos estavam envoltos ainda com uma camada de metal, e uma flecha atravessava a cavidade ocular do crânio. 

Porém, um detalhe que despertava confusão é que o esqueleto não parecia pertencer a pessoa só. Na verdade, vários indivíduos, assim colocando em dúvida se aquilo era mesmo uma múmia. 

"O que temos são perguntas sobre perguntas", alegou na época o patologista Andreas Nerlich em entrevista ao Spiegel Online. 

Chegou a ser considerada, nessa altura, a possibilidade de que aquele era o fruto de um crime do século passado, o que foi abordado na época pelo porta-voz do departamento de polícia da cidade, Frank Bavendiek. 

"Vamos esperar até saber a idade dos ossos. Se eles têm algumas centenas de anos, então é uma múmia e não vamos investigar", afirmou o oficial, ainda conforme a AFP na época.

Mistério solucionado

Em 2013, o objeto curioso afinal terminou de ser explicado. A cobertura de metal havia levado a tomografia a apresentar um resultado confuso: na verdade, os "ossos" do esqueleto eram de plástico. Apenas o crânio, que se encontrava bem preservado, era real e passou a ter sua origem buscada.

"A cabeça de múmia era de um ser humano, mas, segundo as suspeitas da promotoria, se trataria de um crânio utilizado nos cursos de anatomia de uma escola de medicina", explicou na época Lutz Gaebel, um representante do governo alemão, segundo repercutido pela Band no período. 

Nem descoberta arqueológica, nem crime medonho: no fim o objeto era um esqueleto de mentirinha para que fora usado para auxiliar estudantes. 


+Saiba mais sobre arqueologia por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Arqueologia, de Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/36N44tI

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2GHGaWg

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, de Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/36QkWjD

Manual de Arqueologia Pré-histórica, de Nuno Ferreira Bicho (2011) - https://amzn.to/2S58oPL

História do Pensamento Arqueológico, de Bruce G. Trigger (2011) - https://amzn.to/34tKEeb

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W