Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Mundo

Virou documentário: Em meio à guerra e homofobia, dois homens encontraram o amor

Tendo se conhecido em um país altamente homofóbico, Nayyef Hrebid e Btoo Allami demoraram mais de uma década para conseguirem ficar juntos

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 04/06/2022, às 08h00

Fotografia dos dois juntos - Divulgação/ World of Wonder Productions/ Arquivo Pessoal
Fotografia dos dois juntos - Divulgação/ World of Wonder Productions/ Arquivo Pessoal

No ano de 2003, tropas dos Estados Unidos invadiram o Iraque sobre o pretexto de encontrar e desmantelar as armas de destruição em massa que teriam sido desenvolvidas pelo governo de Saddam Hussein.

Posteriormente, o exército norte-americano, que finalizou o conflito em 2008, admitiria nunca tê-las encontrado, levando muitos a questionarem o custoso e sangrento episódio militar como um todo. 

Foi neste contexto improvável que Btoo Allami e Nayyef Hrebid se conheceram. O primeiro era um soldado a serviço do Iraque, e o segundo trabalhava como tradutor para os oficiais estadunidenses. 

Eles começaram a se relacionar em 2004, porém sua história de amor apenas alcançaria um final feliz em 2015, quando os dois foram capazes de mudar-se para os Estados Unidos de forma definitiva.

O país natal do casal, embora não possuísse leis contra a homossexualidade, como era e ainda é o caso do Irã, da Arábia Saudita e dezenas de outros, possuía um preconceito muito forte, que colocaria a felicidade e segurança deles em risco. 

A luta de mais de uma década empreendida por Allami e Hrebid para ficarem juntos chegou a inspirar um documentário, o "Out of Iraq" (Ou "Fora do Iraque", em tradução livre), lançado em 2016 e premiado com um Emmy. Descubra abaixo os detalhes da história de amor deles, que foram repercutidos por uma matéria de 2021 da BBC. 

À primeira vista 

Nayyef Hrebid relata ter visto seu futuro marido pela primeira vez quando o outro saía do bloco onde ficavam os chuveiros. 

"O cabelo dele era muito negro e brilhante, e ele estava sorrindo. Pensei: 'meu Deus, esse cara é muito lindo'", contou o iraquiano, de acordo com o veículo. 

Mal sabia ele que o soldado por quem havia se interessado, Btoo Allami, já havia começado a prestar atenção no tradutor mais cedo naquela tarde, quando os dois viajaram dentro do mesmo veículo. Na ocasião, Hrebid estava adormecido, de forma que não teve como reparar no olhar do outro. 

"Eu tinha a estranha sensação de que procurara por ele há muito tempo. O meu sentimento crescia com o tempo e eu sabia que queria falar com ele", relatou Allami a respeito daquele momento inicial, antes do envolvimento do casal começar. 

A dupla teve a chance de se conhecer melhor quando foi enviada para a mesma missão militar, que tinha o objetivo de expulsar insurgentes que ocupavam um hospital.

O soldado convidou o tradutor para jantar junto dele e seus colegas, e, durante três dias, o futuro casal usou o horário da refeição para conversar um com o outro, tornando-se cada vez mais próximos. Não demorou para que, em uma ocasião em que estavam a sós, os rapazes aproveitassem para se abrir a respeito de seus sentimentos. 

Me sentia muito próximo dele e achei que era hora de dizer algo. Então falei do que eu sentia, disse que estava apaixonado por ele. Ele me beijou e saiu. Foi uma noite maravilhosa", relembrou Allami, conforme repercutido pela BBC. 

Desafios

Infelizmente, além de buscar sobreviver no ambiente instável criado pela guerra, os iraquianos ainda precisavam se preocupar com a homofobia da sociedade em que viviam. 

À medida que a relação dos dois foi avançando, foi ficando mais difícil de escondê-la dos outros membros do acampamento militar, e, embora o casal tivesse o apoio de um capitão norte-americano, que os ajudava a terem mais tempo juntos, entre os oficiais do Iraque, a história era diferente.

No Iraque, ser gay é considerado algo muito errado e traz vergonha para a sua família. Você pode até ser morto, então tem de ser muito cuidadoso (...) Alguns dos outros soldados pararam de falar comigo quando descobriram que eu era gay. Um dos meus amigos tradutores, um rapaz da minha cidade, me bateu com um pedaço de pau e quebrou meu braço", revelou Hrebid, ainda de acordo com o veículo.

Quando a guerra entre Iraque e Estados Unidos finalmente chegou ao fim, em 2008, o tradutor pediu asilo ao governo norte-americano. Ele havia ajudado o exército estadunidense, afinal, e isso por si só o colocava em risco enquanto estivesse no seu país. Além disso, Nayyef tinha a esperança de que, vivendo naquela outra nação, poderia viver seu amor de forma livre. 

"Sabia que se ficássemos no Iraque não haveria um futuro para nós. Íamos acabar casados com mulheres e vivendo escondidos para o resto da vida. Mas eu tinha assistido o Queer As Folk [um seriado de TV] e sabia que existia uma comunidade gay no outro lado do mundo", contou, ainda segundo a BBC. 

Trecho de entrevista com o casal em 2016 / Crédito: Divulgação/ Youtube/ WOWPresents

O tradutor foi capaz de tornar-se um cidadão norte-americano com relativa facilidade, todavia, até que Btoo Allami pudesse se juntar a ele, foi uma verdadeira jornada burocrática, repleta de atrasos de documentação e vistos recusados. 

O ex-soldado, cuja orientação sexual foi descoberta pela família neste meio tempo, precisou mudar-se para o Líbano a fim de evitar ser coagido a casar-se com uma mulher. 

Não foi uma decisão fácil, eu tinha um contrato de 25 anos com o Exército e era o único suporte financeiro da minha família. Mas eu sabia que tinha de ficar com Nayyef. A espera foi difícil, mas quando falava com Nayyef, sempre me sentia mais forte", desabafou ele. 

Em 2013, Allami mudou-se para o Canadá, e em 2015, ele finalmente conseguiu instalar-se nos Estados Unidos. Os iraquianos, vale dizer, já eram casados a esse ponto, o que facilitava a aquisição do visto, mas nunca haviam tido uma celebração, algo que apenas foi possível quando foram reunidos de forma definitiva, começando sua vida de casal. 

O inspirador laço amoroso dos dois, que persistiu a despeito da guerra, da homofobia e da distância geográfica, fez com que a dupla fosse chamada para uma série de entrevistas, além de se tornarem foco do documentário "Out of Iraq". Confira o trailer abaixo: