Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Vitrine / Entretenimento

Pagu e seu livro “Parque Industrial” marcam o Centenário da Semana de Arte Moderna

Pagu reflete sobre as situações humilhantes e precárias vividas pelas operárias paulistanas

Paulo Marinho Publicado em 14/02/2022, às 17h00

Créditos: Reprodução / Companhia das letras
Créditos: Reprodução / Companhia das letras

Denunciar as condições humilhantes e precárias das operárias paulistanas. Esse era o maior objetivo de “Parque Industrial”, lançado em 1933, por Patrícia Galvão. Um “romance panfletário”, o livro é necessário aos leitores fiéis de Pagu, e interessante aos que buscam conhecer mais o contexto social da época.

Trazendo reflexões sobre a industrialização brasileira do século XX e suas consequências, a obra é vista, por muitos, não apenas como um retrato de sua época, mas sim um manifesto. Passando por temáticas como feminismo e direitos trabalhistas, o livro está consolidado como objeto atual de leitura por narrar o que ainda hoje é a condição real de milhares de pessoas no Brasil.

A linguagem coloquial, descrevendo as cenas de exploração sofridas pelas trabalhadoras no dia a dia; seus capítulos descontinuados, padrão utilizado na técnica de foto colagem; e sua perfeita descrição de como as agressões ocorriam, por parte dos patrões, nos ambientes de trabalho. Essas foram as formas que a escritora encontrou para fazer o leitor visualizar em sua mente as vivências, traumas e frustrações do ponto de vista das mulheres proletárias, e como condições desumanas afetavam suas vidas.

A SEMANA DE ARTE MODERNA

Foi há 100 anos atrás, entre os dias 13 e 17 de fevereiro de 1922, que a Semana de Arte Moderna mudaria os rumos da arte brasileira. Popularizar a arte, criar uma identidade autêntica às artes nacionais e trazer ao Brasil o movimento modernista inspirado nas vanguardas europeias, esses eram alguns dos objetivos da Semana que marca nossa cultura, até os dias atuais.

Enquanto o Brasil atravessava mudanças políticas, econômicas e principalmente sociais, o evento artístico apresentava uma nova estética para cada campo da arte, e contou com apresentações de dança, música, poesias, pinturas, esculturas, exposição de obras de arte e palestras. 

Créditos: Reprodução / Companhia das letras
Créditos: Reprodução / Companhia das letras

A AUTORA

Patrícia Rehder Galvão (1910 - 1962), foi uma ativista jovem, escritora, diretora, tradutora, desenhista, cartunista, jornalista e militante política. Os dons eram imensos e recheados de talento. 

Em seus 21 anos de idade, publicou “Parque Industrial”, livro que partia da perspectiva marxista, entretanto criticado pela própria militância comunista como sensacionalista e inexperiente, situação que obrigou a escritora a publicar o livro utilizando um pseudônimo. 

Curiosamente, mesmo sendo nomeada por muitos como musa dos modernistas, Patrícia tinha apenas 10 anos quando a Semana de Arte Moderna aconteceu.


+Saiba mais sobre "Parque Industrial" por meio da Amazon:

Parque industrial, de Pagu (2022) - https://amzn.to/3rLh7d6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime - https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis - https://amzn.to/2yiDA7W