Teatro Ford

Local onde Abraham Lincoln foi assassinado mostra a história da conspiração

01/05/2006 00h00 Publicado em 01/05/2006, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Na noite de 14 de abril de 1865, o ator John Wilkes Booth, 26 anos, matou o presidente Abraham Lincoln enquanto ele assistia à peça Nosso Primo Americano, no camarote do Teatro Ford, a seis quadras da Casa Branca. Booth, um ator – e galã – famoso, fazia parte de um grupo que planejava assassinar Lincoln, o vice-presidente Andrew Johnson e o secretário de Estado William Seward. As mortes seriam uma vingança pela derrota sulista na Guerra Civil, que sujara o país de sangue nos quatro anos anteriores – Lincoln era representante do lado oposto.

Os conspiradores conseguiram matar só um dos políticos. Vindo de um bar, Booth entrou no teatro às 22h07. Oito minutos depois, atirou na cabeça de Lincoln. O ator ainda esfaqueou o major Henry Rathbone – que, ao lado da noiva, fazia companhia para o presidente e a primeira-dama. Antes de partir, teria gritado: “Sic semper tyrannis!” (“Assim morrem os tiranos”, em latim).

Lincoln foi levado para uma casa do outro lado da rua, onde morreu na manhã seguinte. Booth foi morto por um soldado 12 dias depois. Oito pessoas foram acusadas de envolvimento na morte do presidente e quatro foram executadas com enforcamento.

O Teatro Ford, que desde os anos 60 voltou a funcionar normalmente, tem um museu que conta a história da morte de Lincoln no andar de cima. A visitação é gratuita.

 

Saiba mais

www.nps.gov/foth/ e www.fordstheatre.org

Morte ao vivo

Objetos usados pelo presidente estãoem exposição onde ele foi morto

1. No segundo ato

Booth invadiu o camarote do teatro onde estava o presidente durante o segundo dos três atos da peça Nosso Primo Americano, cuja história é sobre um americano bronco que é apresentado a seus parentes aristocráticos da Inglaterra. O programa do espetáculo está em exposição, assim como cartazes, ingressos e outros objetos.

2. Piadas reveladoras

No museu do Teatro Ford, há várias charges da época sobre a política americana. Por meio dos desenhos e piadas, o público consegue ter uma idéia de como Abraham Lincoln era visto por seus aliados e adversários – algumas ilustrações fazem graça de sua imagem de homem pouco letrado, por exemplo.

3. Segurança relaxada

Antes de tomar posse, Lincoln descobriu que sulistas planejavam seu assassinato durante uma passagem por Baltimore. Com medo, disfarçou-se. Responsável pela segurança de Lincoln, o capitão George Hazzard usou esses óculos para proteger os olhos de um ataque. A tentativa de assassinato não foi comprovada e o presidente foi ridicularizado pelos jornais locais – episódio que provocou o relaxamento de sua segurança.

4. Sem um teco

O casaco que Abraham Lincoln usava na noite do assassinato pode ser visto na entrada do museu. Detalhe: o pedaço que estava sujo de sangue foi arrancado por caçadores de suvenires em 1876.

5. Camarote vazio

O Teatro Ford reabriu para espetáculos apenas em 1968. O camarote 7, em que o presidente Lincoln foi assassinado, pode ser visto exatamente como era na noite do crime. Ele fica sempre vazio – ninguém está autorizado a entrar na cabine. Dá para ver o camarote apenas por uma porta de vidro.

6. Espora de Romeu

A espora da bota que John Wilkes Booth usava prendeu na bandeira americana quando ele pulou do camarote para o palco durante a fuga. O ator levou um tombo, quebrou a perna esquerda, mas ainda assim conseguiu escapar. A bota de Booth está em exposição no museu. Atlético e bonito, o ator já tinha feito o papel de Romeu na famosa peça de William Shakespeare.

7. Boa pontaria

Há polêmica por trás da pequena pistola que Booth usou para assassinar Lincoln. Muita gente acredita que a arma em exposição no Teatro Ford é falsa – a verdadeira teria sido roubada nos anos 60. Mas o FBI investigou e garante que esta é realmente a arma que matou o presidente americano, com um único tiro atrás da orelha esquerda.

8. Travesseiro sujo

O travesseiro usado por Abraham Lincoln na casa da família do alfaiate William Petersen, do outro lado da rua, onde ele foi socorrido, está em exposição no museu com as manchas do sangue do presidente. O local guarda ainda outros objetos curiosos, como flores deixadas no caixão do presidente.

9. Cabelos ao vento

Há mais de uma dezena de bustos de Abraham Lincoln no Teatro Ford, feitos por diversos artistas depois de sua morte. Desde o modelo clássico até um no qual o presidente aparece de camisa aberta e cabelos esvoaçantes.

10. Local da morte

A casa do alfaiate Petersen também pode ser visitada – ela fica bem em frente ao Teatro Ford. Lá, quase todos os cômodos foram preservados. O público pode ver o quarto dos fundos, onde Lincoln morreu às 7h22 do dia 15 de abril de 1865.