Curiosidades » Brasil

9 momentos inexplicáveis da TV brasileira nos anos 90

Do sushi erótico do Domingão do Faustão a apresentação de música bizarra no Xuxa Hits: No final de 1980 e início de 1990 a televisão brasileira era considerada terra de ninguém

Fabio Previdelli Publicado em 26/09/2019, às 18h19

Faustão e Xuxa Meneghel
Faustão e Xuxa Meneghel - Reprodução

Muito antes de ser dominada por reality shows e novelas, a TV brasileira viveu seus comentos insólitos e muito deles condenáveis. A guerra por audiência disfarçada de entretenimento levou esse período a ser considerado como terra de ninguém.

Embalados ao ritmo do “umba umba umba ê”, confira 10 episódios que marcaram as tarde de muitas famílias.

1. A Banheira do Gugu

Um dos programas mais antigos do SBT, o Domingo Legal continua no ar sob o comando de Celso Portiolli. Muitos podem não se lembrar, mas a versão raiz da atração era apresentada por Augusto Liberato, o Gugu.

Banheira do Gugu / Crédito: Reprodução


Como o próprio nome já diz, o programa era exibido no dia em que toda a família se reunia em frente à televisão. Um dos quadros mais populares era a Banheira do Gugu. Embalados ao ritmo do “umba umba umba ê”, pessoas tentavam pegar o maior número possível de sabonetes dentro de uma banheira enquanto mulheres só de biquíni tentavam impedi-los.

2. Luciano Huck e suas assistentes sex symbols

O Programa do H introduziu ao grande público o iniciante apresentador Luciano Huck. Comandando o programa da Rede Bandeirante, o que mais chamava atenção na atração não era a desenvoltura do apresentador, mas sim suas sensuais assistentes de palco: Tiazinha e a Feiticeira.

Tiazinha e Feiticeira foram assistente de palco de Luciano Huck / Crédito: Reprodução


Consideradas sex symbols na época, as duas tinham quadros próprios que instigavam os rapazes da plateia. Em algumas provas, os escolhidos eram depilados no palco pela Tiazinha.

3. O Sushi Erótico do Domingão do Faustão

A disputa por audiência entre Faustão x Gugu era incessante, mas por conta da Banheira do Gugu, o domingo sempre terminava mais legal para Augusto Liberato.

O Sushi Erótico do Domingão do Faustão / Crédito: Reprodução


Mas o Domingão do Faustão precisava reagir a essa queda de braço e para isso foi ao ar o quadro Sushi Erótico, no qual os atores Oscar Magrini e Marcio Garcia comiam sushi exposto no corpo de uma mulher nua, deitada em uma mesa de restaurante. 

Além do momento constrangedor para muitos que assistiam, as perguntas capciosas fizeram que o quadro não deixasse nenhuma saudade.

4. Xuxa Hits e a música em inglês com tradução constrangedora

Xuxa Meneghel foi por muito tempo considerada rainha dos baixinhos, até que um dia sua audiência cresceu e com ela o formato de seu programa. Comandando o Xuxa Hits, o programa visava um público mais adolescente e para isso traziam atrações que estavam em alta naquela época.

Crédito: Reprodução

 

Uma das inesquecíveis apresentações foi a da cantora CJ Gee, que cantava a música “Don’t Wanna No Short Dick Man”, que em tradução livre significava “Não Quero Nenhum Homem de Pênis Pequeno”. Sabendo ou não do significado da letra, a plateia se divertia com a trilha sonora.

5. Carla Perez entre o “i de escola” e o “i de isqueiro”

Fantasia era um dos programas que muitos sonhavam em participar. A atração tinha quadros com provas interativas, que consistiam a jogos simples que qualquer telespectador podia participar, caso tivesse sorte de ter aligação atendida.

Crédito: Reprodução

 

Uma das apresentadoras do programa foi Carla Perez. A loira do Tchan esbanjava simpatia com o público. Um dos quadros era o jogo da forca e em um dos episódios ela queria entender se a participante escolheu a letra “i de escola” ou “i de isqueiro”.

6. Ratinho descobre ET de Olaria

Marcado pelos testes de DNA e pelo quebra pau ao vivo, o Programa do Ratinho também tinham quadros insólitos. Um dos encarregados pelas matérias era Rodolfo Carlos, o repórter careca que tinha um microfone um tanto quanto diferente.

Crédito: Reprodução

 

Uma vez ele prometeu levar para o programa um ET de Olaria. O repórter anunciou por dias a descoberta, até que chegou um fatídico dia. Dentro de uma caixa surgiu uma pessoa pequena e magricela que trajava somente uma bermuda. O rapaz em questão era Cláudio Chirinian, que assumiu a alcunha e logo caiu na boca do povo, assim surgia a dupla de repórteres ET e Rodolfo.

7. A estreia de Angélica na TV

Não muito diferente de seu futuro marido, Angélica também começou muito nova na TV. Só que ao contrário de Luciano Huck, a loira seguiu os passos de Xuxa e apresentava um programa infantil na extinta TV Manchete, chamado Clube da Criança.

Crédito: Reprodução

 

Assim como a rainha dos baixinhos, ela também passou por maus bocados durante um quadro musical. Desta vez, o mico foi um pouco maior já que a banda Os Cascavellettes era brasileira. O hit do grupo era “Eu Quis Comer Você”. Não satisfeita em ouvir a frase durante a canção, ela ainda contou um trecho da música, tudo isso enquanto a criançada brincava pelo estúdio.

8. Mara Maravilha e seu look de apresentadora infantil

Os programas infantis eram verdadeiras febres nos anos de 1990. Além de Xuxa e Angélica, a televisão também tinha espaço para Mara Maravilha. A apresentadora estava à frente do Show da Maravilha, que agitava a grade do SBT.

Crédito: Reprodução

 

Sua empreitada como apresentadora era dividida com sua carreira musical, em 1990 a morena lança seu mais novo sucesso “Não Vale a Pena” em uma das edições do programa infantil. Conforme a música rolava, Mara ia se animando, até terminar a apresentação de calça jeans e sutiã.

9. Suicídio em Rede Nacional

O programa jornalístico do SBT fazia muito sucesso nos anos 90. Entretanto, a atração, que era exibida em rede nacional, chocou o país após exibir sem nenhum pudor o suicídio de uma jovem de 16 anos. No dia 5 de julho de 1993, os jornalistas da emissora chegaram ao local onde uma garota estava sentada há 15 minutos na beira de um prédio.

As câmeras apontavam para a garota quando se ouviu o jornalista Sérgio Frias dizer: “ela pulou, ai meu Deus”. A queda foi sucedida por um forte estrondo. As cenas chocantes renderam ao programa um aumento de 33,5% de audiência, e aos cofres do SBT uma indenização de 1 milhão de reais que foram destinados aos familiares da moça.