Como fazíamos sem... A roda?

As pirâmides foram feitas sem elas

Redação AH Publicado em 10/02/2017, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h35

Nossos ancestrais ficariam 100% perdidos
Nossos ancestrais ficariam 100% perdidos - Shutterstock

No cinema, na TV, a roda costuma ser inventada pelos homens das cavernas. Na realidade, seu criador já morava numa cidade - ela foi inventada em algum ponto do 4º milênio a.C., em algum lugar da Europa ou da Ásia Central. Isto é, 4 mil anos após a invenção da agricultura (e das cidades). 

A invenção se espalhou de forma irregular. Muitos povos só foram conhecê-la após já usarem a escrita e trabalharem com metais - isto é, depois da Pré-História. Na China, ela apareceu por volta de 1200 a.C. No Egito chegou antes, mas de forma brutal: só foram saber dela por meio dos hicsos, que os derrotaram usando bigas, em 1800 a.C.  Muito depois, portanto, da criação da Grande Pirâmide de Gizé, em 2560 a.C. 

Também construtoras de pirâmides, as civilizações maia e asteca, na América, nunca ficaram sabendo da roda, ainda que conhecessem o disco - um padrão comum no mundo todo, porque a verdadeira invenção não é a roda em si, mas pô-la num eixe. O que foi feito por seus vizinhos olmecas, que não viram utilidade maior que em brinquedos. 


Roda Olmeca / Crédito: Justin Kerr

O caso é que os olmecas não tinham animais de carga e portanto não a imaginaram em uso para transportar coisas. Ao sul, os incas tinham: a lhama. Do tamanho de um burro, não era o bastante para algo como um carro de boi, o primeiro veículo criado. 

Antes da roda, as coisas eram carregadas no lombo dos animais ou pessoas - com sorte, por barcos, algo com que os egípcios podiam contar, já que a vida ali girava em torno do Rio Nilo. Quando as pedras já estavam no lugar, os construtores de pirâmide do mundo todo usavam a força humana e a criatividade. Cordas, rampas e trenós, que rolavam sobre troncos de madeira, serviam para carregar os blocos até o topo.