Curiosidades » Reino Unido

Da execução de Maria da Escócia a morte de Amy Robsart: as polêmicas na corte de Elizabeth I

Durante seu mandato, a soberana teve que enfrentar diversos contratempos que movimentaram a realeza britânica

Victória Gearini Publicado em 09/07/2020, às 20h09

Rainha Elizabeth I em um retrato oficial
Rainha Elizabeth I em um retrato oficial - Getty Images

Mais conhecida como a Rainha Virgem, durante todo o seu reinado, a soberana Elizabeth I teve que enfrentar diversos obstáculos e polêmicas que abalaram as estruturas da corte britânica. 

Execução de Maria da Escócia

Maria Stuart, prima de Elizabeth I, foi coroada aos 6 anos de idade como a Rainha da Escócia. Aos 18 anos, a monarca assumiu o trono, uma vez que foi considerada apta para governar seus súditos. No entanto, após ser forçada a abdicar ao trono, Maria da Escócia procurou refúgio na Inglaterra, mais precisamente na casa de sua prima.

Sob os cuidados da soberana britânica, Maria passou seus últimos anos de vida infeliz, pois vivia como uma prisioneira. A vida da jovem piorou quando tropas da rainha descobriram que um grupo de traidores, com a ajuda de tropas espanholas, planejavam derrubar Elizabeth I do trono.

Maria Stuart, a rainha da Escócia / Crédito: Getty Images

 

Maria da Escócia foi considerada culpada por conspirar contra a prima, sendo presa e enviada ao Palácio de Tixall. Embora a réu tenha negado todas as acusações, as tropas da rainha encontraram documentos que afirmavam que Maria planejava a morte de Elizabeth I. 

Acredita-se que Elizabeth I tenha tentado intervir contra a execução de sua prima, uma vez que temia uma união entre a Escócia e potências católicas. No entanto, de nada adiantou, pois no dia 8 de fevereiro de 1587 Maria da Escócia foi morta, logo após a soberana assinar documentos aprovando sua execução. 

A Rainha Virgem 

Elizabeth I ficou conhecida como a Rainha Virgem, fama que lhe proporcionou grande poder nos últimos anos de seu reinado. Assim, o Culto à Virgindade foi de extrema importância para a manutenção de seu poderio.

Elizabeth I, a Rainha Virgem / Crédito: Getty Images

 

Não se sabe ao certo se a soberana era realmente virgem, mas como nunca se casou e nem teve filhos, automaticamente o povo acreditava que ela nunca havia tido relações sexuais. Tal fato contribuiu para que boa parte de seus súditos acreditassem que ela não era uma mulher comum, e que na verdade seria uma figura sagrada. Além disso, sua imagem como Rainha Virgem foi perpetuada em diversas produções literárias e artísticas no decorrer dos anos.  

A misteriosa morte de Amy Robsart

Durante o mandato de Elizabeth I, a corte foi abalada pela morte de Amy Robsart, uma jovem que foi casada com Robert Dudley, filho mais novo de John Dudley — conde próximo a rainha Elizabeth I. Após o matrimônio, Amy e Robert mudaram-se para uma bela mansão, onde a jovem foi encontrada morta aos 28 anos de idade. 

Na ocasião, Robert estava em Winsdor com Elizabeth I. Na época, alguns funcionários relataram que nas semanas anteriores, Amy havia reclamado de dores em um de seus seios, mas tal fato não condizia com a causa da morte. Após os médicos legistas examinarem o corpo, hipóteses de assassinato surgiram, e a rainha chegou a ser considerada suspeita como autora do crime. 

Retrato de Amy Robsart e simulação de sua morte / Crédito: Wikimedia Commons

 

Embora Elizabeth I fosse a principal suspeita, outros nomes surgiram na lista como John Appleyard, que havia brigado com Robert pouco tempo antes. O suspeito chegou a ficar um mês preso, mas logo foi liberado por falta de provas. Outras pessoas foram mencionadas no inquérito, mas ninguém foi acusado formalmente de assassinato. 

Em 2008, o relatório médico de Amy se tornou um documento público e levantou uma nova hipótese: um possível suicídio. Além disso, acredita-se que a dor nos seios da jovem poderia ser, na verdade, um câncer de mama que teria afetado sua coluna vertebral, ocasionando a queda e a sua morte repentina.


+Saiba mais sobre a família real britânica por meio de obras disponíveis na Amazon:

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

O Amor Da Princesa Diana, de Anna Pasternack (2018) - https://amzn.to/2xOZ8c9

A história do século XX, de Martin Gilbert (2017) - https://amzn.to/2yFZMcv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7