Curiosidades » Civilizações

Do primeiro faraó a última dinastia: 6 curiosidades sobre o Egito Antigo

Ao longo das gerações floresceu na região uma civilização poderosa e fascinante

Redação Publicado em 03/01/2021, às 09h00 - Atualizado em 30/08/2021, às 19h00

Imagem de símbolos do Egito Antigo
Imagem de símbolos do Egito Antigo - Imagem de WikiImages por Pixabay

Para o historiador grego Heródoto, o Egito Antigo era uma dádiva do rio Nilo, onde floresceu uma civilização poderosa e fascinante. Com um solo fértil, a região se tornou uma das mais grandiosas da época. 

Com uma cultura rica, o local foi governado por dezenas de famílias, que compuseram as dinastias. Tal fato tornou o local em um dos principais vestígios históricos, sendo amplamente estudado ainda nos dias de hoje. 

Pensando nisso, o site Aventuras na História selecionou 6 curiosidades sobre esta antiga e importante civilização. 

Confira abaixo.

1. A produção

Os povos que lá se estabeleceram cultivavam cereais, como trigo e cevada. Além da produção do linho, a agricultura tornou-se a base econômica da nação que se formava. Plantavam também cebola, alho-porró, alho, alface, melancia, pepino, melão, grão-de-bico, lentilha, maçã, romã, azeitona, abacate e tâmara. No Baixo Egito, mais fértil e rico, também se praticava a caça e a pesca.


2. Deuses

Esses povos eram pacíficos e muito religiosos. Criaram uma infinidade de deuses — eram tantos que alguns tinham “jurisdição” em apenas uma cidade, povoado ou vilarejo.

Adoravam também muitos animais, como o chacal (por sua esperteza noturna), o carneiro (símbolo da reprodução), o jacaré (pela agilidade na água), a serpente (poder de ataque), a águia (capacidade de voar) e o escaravelho (ligado à ressurreição).

Mas o mais sagrado de todos era o gato, talvez por proteger os estoques de alimentos dos ratos e as pessoas das cobras venenosas, pragas que infestavam a região.

Pintura do Egito Antigo / Crédito: Imagem de Oberholster Venita por Pixabay

 

Desde 2000 a.C., quando foram domesticados, toda família tinha um gato de estimação. Desde muito cedo desenvolveram sofisticadas técnicas de mumificação, acreditando que os corpos dos mortos teriam alguma utilidade na outra vida.


3. Primeiro faraó

Menes unificou o Egito e tornou-se o primeiro faraó. Os estudiosos chegaram a essa conclusão graças a uma placa de xisto que registra esse evento. De um lado, ela mostra o faraó usando a coroa branca típica do Alto Egito; do outro, a coroa vermelha do Baixo Egito.

A maior dúvida parece ser o nome do soberano — Menes ou Menés para uns, Narmer (em grego) ou Hórus Aka para outros. Seja qual for o nome pelo qual gostava de ser chamado, ele fundou Mênfis para ser a capital do reino.


4. Impostos

Nessa época, os camponeses trabalhavam em terras que pertenciam ao Estado, às altas camadas da sociedade e aos templos, entregando a eles o excedente da produção como imposto.

Surgiram as primeiras escritas hieroglíficas, usadas para controlar o pagamento de impostos pelas províncias. Preceitos religiosos intercalados com artigos de natureza civil e penal foram codificados no Livro dos Mortos, considerado o primeiro sistema jurídico do mundo.


5. Dinastias

A partir de Menes, dezenas de famílias — as dinastias — governaram o Egito até a morte de Cleópatra, em 30 a.C., quando o Egito passou a fazer parte do Império Romano. Foram ao todo 30 dinastias.

Ruínas do Egito Antigo / Crédito: Imagem de DEZALB por Pixabay

 

Durante a terceira e a quarta dinastias, foram erguidas as pirâmides de Saqqara e Gizé. A pirâmide de Quéops foi a construção mais alta do mundo por cerca de 4 mil anos. Durante essas 30 dinastias, que mandaram no país por cerca de 3 mil anos, o Egito viveu três momentos de esplendor e três graves crises.

Mais ou menos no meio dessa história, 13 séculos antes da derrota para Roma, o Egito conheceu a glória de ser o maior império sobre a Terra.


6. Muitos nomes

Os antigos egípcios usaram vários nomes para se referir a seu país. O mais comum era Kemet (“Terra Negra”), que se aplicava ao território nas margens do Nilo em referência à cor do solo.

Já Decheret (“Terra Vermelha”) era o nome que designava a região desértica, onde eles enterravam seus mortos. Também usavam as palavras Taui (“Duas Terras”), em alusão ao Alto e ao Baixo Egito, Ta-meri (“Terra Amada”) e Ta-netjeru (“Terra dos Deuses”).

Na Bíblia, o Egito é chamado de Misraim. Nós usamos uma variação do grego Aigyptos (pronuncia-se “Aiguptos”), que, acredita-se, significa “a mansão da alma de Ptah”. Os egípcios atuais usam a palavra de origem árabe Misr.


+Saiba mais sobre o Egito Antigo por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

História do Egito Antigo, de Nicolas Grimal (2012) - https://amzn.to/3b5bJ9S

As Dinastias do Antigo Egito, de Charles River Editors (2019) - https://amzn.to/39ZSY6j

A Serpente Cósmica: A Sabedoria Iniciática Do Antigo Egito Revelada, de John Anthony West (2009) - https://amzn.to/2RtbzBo

Egito Antigo, de Stewart Ross (2005) - https://amzn.to/2K8tuJL

Como seria sua vida no Antigo Egito?, de Jacqueline Morley (2019) - https://amzn.to/2xkwTlL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W